Aditivos para o veículo. Valem a pena?

Concerteza já viu nas prateleiras do supermercado, das áreas de serviço e oficinas, aditivos para automóveis que podem ser adicionados ao combustível e ao óleo do motor. Sabe para que servem? Têm algum benefício? Damos-lhe algumas respostas.

Os aditivos nos combustíveis tornaram-se tema central da atualidade com a proliferação dos carburantes simples, tanto os que se vendem em hipermercados, como nos postos tradicionais. Por arrasto, tem havido da parte de alguns condutores um interesse à volta dos aditivos que se vendem em embalagens e que podem ser adicionados diretamente aos depósitos de combustível, tenham eles combustível “normal” ou “simples”.
Vamos dar-lhe a conhecer alguns aditivos e reforçar argumentos para perceber as vantagens da utilização deste produto. A ideia a que se chega é de que este género de “pozinhos” que se acrescentam à gasolina ou gasóleo têm, essencialmente, um efeito de prevenção, contribuindo para uma melhor saúde e manutenção do motor: Há um objetivo claro de manter todo o canal de distribuição limpo. Mais do que diminuir o consumo, o propósito é limpar e preservar o circuito de injeção, incluindo os bicos injetores. Todo o processo de combustão no motor produz partículas minúsculas. São resíduos que se depositam nas câmaras de combustão, injetores, válvulas ou agulhas de injetores nos motores Diesel. Com o tempo, há uma redução de potência do motor, um maior consumo de combustível e maior emissão de fuligem, para além de um risco de entupimento dos injetores. Com os aditivos, há um potencial efeito benéfico na eliminação de resíduos e no evitar da formação de novos, bem como na otimização da combustão e na melhoria da compressão. E com uma combustão mais perfeita, haverá, à partida, ganhos na economia de combustível.

Como devem ser abastecidos os aditivos?

Há sempre a dúvida de saber que dosagem de produto deverá ser colocada. Há, na realidade, um modo próprio, consoante estejamos a falar de veículos a gasolina ou gasóleo. Mas a proporção vem indicada na embalagem.

Diesel
Deve adicionar-se a embalagem do aditivo (entre 200 e 350 ml, consoante os casos) a cerca de 20 litros de gasóleo que estejam no depósito. A proporção correta consta na embalagem.

Gasolina
No caso da gasolina, o procedimento é idêntico: com o carro na reserva e uma vez na bomba, coloque o produto (de 250 e 350 ml, consoante as embalagens) no depósito.

Utilize o veículo normalmente até a luz da reserva voltar a se acender, voltando então a atestar o depósito: ao gastar o depósito, é feita a limpeza.

Se desejar pode repetir este procedimento. Dependendo dos produtos e marcas, a periodicidade com que se coloca o aditivo pode variar (podendo ir de de 3 a 10 mil km). Normalmente, os produtos mais baratos requerem uma aplicação mais regular.

 

Que tipos de aditivos há?

Há aditivos para motores a gasolina e para blocos a gasóleo. Dentro de cada uma destas gamas há produtos com diferentes intuitos: limpeza de injetores, melhoria da combustão e proteção anti oxidação. Para os Diesel, por exemplo, há produtos para filtros de partículas, para ajudar a prevenir a obstrução deste componente, ao baixar a temperatura mínima necessária para a regeneração automática do filtro.
Também há a aditivos para o óleo do motor. A Liqui Moly comercializa este tipo de produtos. São aditivos eficazes que formam uma película lubrificante que está sempre presente entre as peças de metal, reduzindo o desgaste até 50%, aumentando a vida útil do motor e evitando problemas e reparações caras. Qualquer um deles deve ser adicionado ao óleo de motor novo e pode ser usado em motores diesel e gasolina.

Para que género de veículos se adequam

Todos podem utilizar. No entanto, os efeitos serão tanto mais evidentes quanto mais quilometragem o carro tiver, sobretudo acima de 100 mil km. Basicamente, porque serão esses os veículos que terão injetores mais sujos e o efeito detergente será mais conseguido e percetível.

Aditivos com efeito de reparação

Apesar de não poderem ser vistos como milagrosos, alguns aditivos específicos são apresentados como podendo “ajudar a resolver algumas situações”, de deficiências de funcionamento não muito graves, “como é o caso de problemas de entupimento de injetores que provocam que o carro soluce”. A Liqui Moly garante que, uma viatura com problemas de arranque pode receber um aditivo melhorador de combustão que potencia a explosão na câmara de combustão.