Alguns conselhos para fazer uma viagem num automóvel clássico

Chegou o momento de se deslocar no seu automóvel clássico a um evento/encontro que se realiza numa localidade mais afastada do sítio onde mora, uma concentração à qual não podemos faltar. Para que cheguemos sem problemas de maior, o mais importante é rever e deixar no ponto o nosso veículo, cuidando da sua manutenção, pela nossa segurança e dos demais.


Assegure a melhor visibilidade ao volante

Verificar que todas as luzes funcionam é o básico para realizar uma viagem mais longa, até porque a escuridão é má aliada em qualquer tipo de percurso. Observe o funcionamento de todas as luzes, desde mínimos, médios, máximos, luzes de travão, luzes de presença, faróis de nevoeiro à frente e atrás, luzes de marcha-atrás e piscas. Não se esqueça de verificar as luzes do painel de instrumentos e que os interruptores e botões funcionam em condições. Verifique ainda se leva consigo lâmpadas de substituição.

Faça uma verificação dos pneus

Todos sabemos, mas por vezes esquecemo-nos, que os pneus são o único componente que liga o carro à estrada e que estes devem estar sempre num perfeito estado de conservação, precisamente porque deles depende a nossa segurança e a de todos os que nos rodeiam. Convém frisar que observar o desenho e o estado do piso e a respetiva pressão é o mais importante e vital. É preciso ter atenção ao facto de poderem ter cortes ou gretas por causa do tempo que passam parados, que não tenham defeitos ou deformações na sua circunferência exterior. O melhor investimento a fazer num clássico é precisamente na aquisição de uns pneus de qualidade, pois a condução pode mudar radicalmente em conforto e segurança. Por fim, dê ainda um “olhinho” à roda sobresselente para verificar se está em bom estado de conservação e com pressão para ser utilizada.

Vigie o nível do óleo

Tome nota da última vez que trocou o óleo do motor, quilómetros e data. Pode ter substituído o óleo há algum tempo, mas ainda não ter feito os quilómetros que supostamente deveria ter feito. Todavia, o melhor será trocá-lo a cada dois anos, mesmo que não tenha percorrido muitos quilómetros. O melhor conselho é verificar as possíveis fugas de óleo nas tubagens, motor e cárter: a forma mais simples de o fazer é colocar um cartão debaixo do motor e verificar se fica sujo com gotas de óleo. Se vir que tem vestígios de óleo, pode, colocando-se debaixo do carro, tentar perceber a sua origem. Se o motor estiver limpo, vai localizar rapidamente a fuga.

Tenha todos os elementos sob controlo

O primeiro detalhe a observar é precisamente o nível do liquido de refrigeração, que não ultrapasse dentro do depósito de expansão o nível máximo nem desça ao nível mínimo. Ligue o motor e deixe que este atinja a temperatura certa… se não subir do valor normal é a melhor garantia de que o circuito de refrigeração funciona corretamente. Deve vigiar todas as mangueiras, perceber as fugas e ver se estão inchadas por causa da temperatura. Se detetar algumas destas situações deverá trocar as tubagens de imediato. Em seguida, observe os outros níveis: liquido de travões, direção assistida e fluído da caixa de velocidades.

Cuide da bateria do seu carro

A energia do nosso automóvel pode tornar-se um grande problema na viagem, por isso é recomendável mantê-la sobre vigilância desde a data da sua montagem no veículo. A vida útil de uma bateria moderna é entre três e quatro anos se for de boa qualidade, não tenha estado exposta a baixas temperaturas ou nem tenha passado longos períodos de tempo montada sem qualquer carga.
É conveniente por o carro a trabalhar uma vez por semana, mesmo que não ande com ele e deixar o motor a funcionar durante algum tempo para que a bateria carregue. Se vai ter o carro parado durante algum tempo, desligue os bornes da bateria.

Faça o teste do alternador

Não deixe de observar o alternador para ouvir o seu trabalhar. Tente perceber se não faz ruídos estranhos provenientes dos rolamentos, pois podem surgir que está a gripar. Pode desmontar as escovas (não é tarefa complicada) e verificar que têm o comprimento e a vida útil suficiente para que possam ser carregadas. Ainda assim, pode levar consigo umas escovas de substituição, pois não ocupam muito espaço.

Viaje sempre com toda a documentação

Antes de viajar, devemos verificar que levamos connosco toda a documentação do veículo, carta verde do seguro pago, registo de propriedade, IUC e comprovativo de inspeção. Saiba de cor as coberturas do seu seguro, principalmente por caisa da assistência em viagem, um tema sempre importante em caso de avaria.

Não se esqueça das peças de substituição

Para além do obrigatório triângulo e colete, o nosso conselho é para que, em viagens mais longas, leve consigo todas as peças de substituição que puder, as mais leves e que ocupam menos espaço. Polies, alguma mangueira ou tubo, escovas do alternador, lâmpadas, óleo, líquido da refrigeração e fluído dos travões. Outras peças úteis podem ser as braçadeiras, spray multiusos e uma caixa de ferramentas…