Conduzir com fumos nocivos não é recomendado

tubo de escape

Eu não quero parecer zangado, mas através do tubo de escape do nosso carro sai uma quantidade enorme de porcaria que polui o nosso planeta. Ao fim ao cabo conduzir implica poluir, mas existe um limite definido que os fabricantes respeitam de modo que cada parte do sistema de exaustão do nosso veículo é projetado ao mais pequeno detalhe.

Hoje eu quero falar acerca deste sistema por vezes esquecido exceto por aqueles que aspiram parecer como Fitipaldi. Nós recordamos de quando ouvimos o zumbido insuportável do exaustor do veículo ao nosso lado ou de quando alguém circulando lança uma fumaça que nos impede de ver e respirar. Para além de este sistema permitir o funcionamento correto do motor, reduz as emissões e ruídos a um nível mínimo.

De vez em quando é aconselhável ir a um mecânico e conduzir uma revisão à parte de baixo do veículo. Isto é importante pois um tubo de escape solto ou mal ajustado poderá acabar por causar um acidente, ou poderá não se soltar de todo acabando por tornar-se uma alavanca criando um efeito de ejeção estilo supercarro. Em qualquer dos casos é um risco muito considerável. Outro risco considerável e geralmente inadvertido é o risco de incêndio no veículo: com combustíveis altamente inflamáveis que podem incendiar-se connosco sentados em cima… o que tem pouca graça.

Há que ter cuidado especial se estacionarmos sobre restolho, papéis ou áreas muito secas, porque os nossos tubos funcionam por vezes a temperaturas de 900 graus e podem queimar qualquer coisa. Dentro do sistema de exaustão há várias áreas de igual importância na altura da revisão, mas uma em especial, devido ao seu compromisso para com o ambiente deverá ser o foco da atenção de cada revisão: o catalisador.

O catalisador no tubo de escape

catalisador
Esta peça é um purificador que contém metais e outras substâncias que fazem com que os gases nocivos reagem e sejam expelidos depois de convertidos em substâncias mais limpas para atmosfera. Se esta peça falhar estaremos a sufocar o nosso ambiente um pouco mais do que o necessário. Cuidados básicos? Principalmente evitar golpes na parte inferior do carro (especialmente a redução de freios) e nunca ligar o carro empurrando-o (isto pode causar com que o combustível não queimado entre no catalisador danificando-o, além de que é uma peça extremamente cara).
Sempre que você tenha de fazer alguma reparação ao tubo de escape deverá de utilizar peças devidamente aprovadas. Ao não fazer isso pode ter consequências graves como a operação forçada do motor, perda de potência e até mesmo uma violação das leis que poderá ser punida pela Inspeção Veicular. Assim o melhor será procurar um profissional e aconselhar-se sabendo que por vezes o mais caro não é o melhor. Não há necessidade de sacrificar o design em prol do meio ambiente. Pode-se escolher um bom rabo e instala-lo facilmente por uma pequena taxa.
No final é apenas mais uma peça do quebra-cabeça que não afeta o meio ambiente, mas que pode causar danos sonoros; assim é melhor escolher com cabeça. Finalmente lembre-se que a circulação de veículos a motor com escape livre está proibida; pois quer a poluição sonora quer a atmosférica são más. E ultimamente a nível de ruídos levamos a taça.