Como conduzir um carro de caixa automática


São cada vez mais os portugueses que optam por comprar carros com caixa automática
. A renitência na condução de um carro com este tipo de equipamento ainda existe, mas é cada vez menor. Para além disso, quem conduz um carro de caixa automática não quer outra coisa…


Para quem está habituado a conduzir um carro com mudanças manuais (a maioria dos condutores), conduzir um carro automático torna-se um desafio. São muitos os que tremem perante um comando de uma caixa de velocidades automática.
Apesar de este tipo de carros existir para nos facilitar a vida, estas caixas acabam também por retirar maior proveito do motor do veículo e até melhorar os consumos, especialmente os sistemas mais recentes, como as caixa de dupla embraiagem, por exemplo.
Pode começar por ler o manual de instruções do veículo. Os fabricantes referem neste “livro” especificidades do carro que lhe podem ser úteis, tanto para poupar combustível como para prolongar a vida útil do mesmo.

A caixa automática

Uma caixa automática, apesar de fazer as passagens das relações sozinha, ainda precisa de algum controlo por parte do condutor. Como tal, fique a conhecer as posições que pode encontrar na alavanca da mesma e a função de cada uma faz.
P (Park) – Para quando o veículo está parado
R (Reverse) – Para fazer marcha atrás
N (Neutral) – Corresponde ao ponto morto
D (Drive) – A utilizar quando for conduzir
S (Sport) – Prolonga as relações de caixa, levando o regime a rotações mais elevadas e diminui o tempo de comutação entre as mesmas. Nem todos os carros têm esta posição.
Além destas, temos também posições numeradas: 1 (L), 2,3, etc. (estas nas caixa de velocidades automáticas mais antigas) Estas posições servem para escolher um regime particular em situações específicas. Quando é preciso subir uma rampa muito ingreme, por exemplo, é boa ideia utilizar o 1 (L) para relações mais baixas.

Cuidado com o pé esquerdo

Ao conduzir um carro automático é preciso ter muito cuidado com o pé esquerdo, pois a embraiagem desaparece e o pé esquerdo torna-se num “desempregado” no exercício da condução. Quando conduz um carro de caixa automática, principalmente enquanto não estiver acostumado ao estilo de condução, deve esquecer-se que tem pé esquerdo. Se coloca o pé esquerdo no travão, garatimos-lhe que o resultado não será de todo positivo.
Só existem dois pedais, um para acelerar e outro travar, e é impossível vir a precisar de ambos ao mesmo tempo, logo usa-se apenas o pé direito para conduzir. O hábito pode forçar-nos a usar o pé esquerdo, o que pode corresponder a uma travagem indesejada – é preciso cuidado.

Como conduzir

Depois de sabermos mais sobre a caixa automática, conduzir um carro automático não é tarefa difícil. A posição normal usada para conduzir é o D, com a exceção de algumas situações, que já foram mencionadas em cima.
Para pôr o carro a trabalhar e para retirar o comando da posição de parque (P), é preciso pressionar o pedal do travão. Muda-se o comando para a posição D, e o pé vai do pedal do travão para o acelerador. Basta tirar o pé do travão para o carro começar a andar, e a partir daí basta acelerar, travar e ter algum controlo sobre o carro.
Não existe consenso quanto a paragens pontuais,- como com um sinal vermelho – quando estamos a conduzir um carro automático. Há quem defenda que o melhor é colocar em N (ponto morto) para poupar combustível, mas também são muitas as vozes que dizem que colocar em N causa desgaste um desnecessário. Para nós, no Circula Seguro, o melhor é pôr em N se a paragem for longa, e se não for deve apenas deixar em D e usar o pedal do travão.

Fonte: Mercedes-Benz
Fotos: Mercedes-Benz