Estes são os gases contaminantes que o seu carro emite

Sabe quais são os gases contaminantes que o seu carro emite e que mal fazem ao meio ambiente? Nós explicamos, porque os carros não emitem só… fumo!


Que um veículo com motor a gasóleo ou a gasolina contamina o meio ambiente é do conhecimento geral. Mas, do fumo que sai do escape não sabemos que parte é o quê. O que é certo é que, para além dos tão badalados dióxido de carbono (CO2), os causadores do efeito de estufa, ou dos óxidos de nitrogénio, aqueles que mais afetam a saúde, o fumo que sai do escape dos carros a gasóleo ou a gasolina, tem ainda outros tipos de gases nocivos.
Os carros com motor de combustão emitem monóxido de carbono, óxidos de nitrogénio, hidrocarboretos e compostos de chumbo. Por seu lado, os veículos Diesel emitem partículas de fuligem, hidrocarboretos não queimados, óxidos de nitrogénio e dióxido de enxofre
É por causa de todas estas “produtos” emitidos que existe a necessidade de reduzir as emissões dos veículos mediantes restrições e normas que afetam os seus motores. Não são os únicos elementos existentes na sociedade que contaminam, nem sequer são os mais perigosos, mas estão presentes um pouco por todo o mundo, daí o enfâse colocado no combate a estes gases nocivos. Neste texto pode ficar a saber quais são os principais gases contaminantes que são libertados pelo tudo de escape de um automóvel com motor a combustão.

1 – Óxido de carbono

Mais habituais nos motores a gasolina que nos Diesel, o monóxido de carbono ou o dióxido de enxofre são produzidos quando a combustão não se completa, por excesso de combustível ou pela falta de oxigénio na mistura. A exposição excessiva a estes elementos pode levar ao envenenamento. E serve como exemplo para a causa de centenas de mortos a cada ano pelo mau funcionamento de lareiras e de braseiros em casa.

2 – Dióxido de carbono (CO2)

É mais comum nos veículos a gasolina e está presente no meio ambiente (os humanos emitem-no a respirar e as plantas necessitam dele para fazerem a fotossíntese). O excesso deste gás na atmosfera provoca o efeito de estufa (os raios de sol entram na atmosfera, mas não saem, levando a aquecimento da Terra). A consequência é o desequilíbrio dos ecossistemas e as mudanças repentinas das estações do ano.

3 – Restos de hidrocarboretos (HC)

São partículas de hidrocarboretos que não foram queimadas na combustão e estão presentes tanto nos gases procedentes dos motores a gasolina como dos Diesel. São tóxicos e provocam comichão e vermelhidão nos olhos, reacções na pele e problemas respiratórios.

4 – Benzopirenos

Mais comuns nos motores Diesel, são partículas que têm origem em combustíveis menos refinados que a gasolina. São considerados cancerígenos e responsáveis pela formação de nuvens tóxicas nas cidades.

5 – Trióxidos de enxofre (SO3)

São restos de enxofre existentes nos combustíveis, mais habituais na gasolina que no gasóleo e cuja presença é cada vez menor nos combustíveis por causa dos avançados processos de refinação dos carburantes. São altamente tóxicos e são os responsáveis pela chuva ácida que é acontece em algumas cidades.

6 – Óxidos de nitrogénio (NOx)

São vários e com diferentes composições, mas são representados habitualmente com uma única fórmula (com um “x” que engloba vários números ao lado da fórmula química). São produzidos pela má combustão no cilindros, por alta pressão nos cilindros e por uma mistura mal feita do combustível, daí que sejam mais comuns nos motores Diesel. Todavia, a sua presença no tubo de escape de veículos com motores a gasolina está a aumentar por causa da utilização massiva de sistemas Turbo. Unem-se ao oxigénio e à humidade e produzem o NO3 (muito perigoso) e o HNO3 (um ácido que destrói o ozono e que provoca o efeito de estufa).

Foto: Pixabay