Estes são os primeiros pneus conetados da Michelin

Não serão os primeiros sensores que a Michelin instala num pneus, mas são os primeiros sensores conetados. E oferece uma informação vital para a nossa segurança: a pressão e a temperatura. Chega agora ao mercado a tecnologia Michelin Track Connect e provém do mundo da competição.


Precisamos de conhecer o estados dos nossos pneus

Já nos alertou a Michelin em inúmeras ocasiões da importância para a segurança rodoviária em ter ppneus com condições adequadas. O Michelin Track Connect centra-se em dois aspetos fundamentais para isso mesmo: pressão e temperatura.
A correta pressão dos pneus é a chave do seu comportamento em andamento. Com uma pressão demasiado baixa, a borracha deforma-se, perdendo assim aderência, ou pior ainda, corremos o risco de desjantar numa curva. Ao contrário, se a pressão for demasiado elevada, as borrachas também têm tendência a desgastar-se de forma irregular e absorvem pior as irregularidades da estrada.
A Michelin tem feito algumas campanhas para que os seus utilizadores mantenham a temperatura dos pneus adequada, influenciando no caso de se tratarem de pneus de inverno ou de verão (ou de pneus para todo ano como os CrossClimate). Pneus demasiado frios podem endurecer em excesso e perder aderência enquanto que uns que aquecem demasiado podem desgastar-se com muita facilidade.

Conetarmo-nos com os nossos pneus para saber o seu estado

O que o Michelin Track Connect permite é, basicamente, conetar os nossos pneus conosco, monitorizando a sua pressãp e temperatura e oferecendo-nos informação valiosa sobre eles. É comercializado em forma de kit composto por quatro sensores, um recetor para o habitáculo e uma aplicação para smartphones.
Os sensores podem ser instalados em qualquer oficina da Michelin nos pneus Michelin comuns e podem ser reutilizados quando realizarmos a sua substituição. A tecnologia está disponível para 11 dimensõs diferentes do modelo PIlot Sport Cup 2 Connect, ainda que vá estar disponível brevemente para outros modelos.
O funcionamento do Michelin Track Connect é simples. Os sensores encarregam-se de monitorizar e registar tanto a pressão como a temperatura de cada um dos pneus. Os próprios sensores enviam esta informação ao recetir, colocado no interior do habtáculo, e que está encarregue de reenviar dados à aplicação móvel. Previamente deveremos ter instalado no nosso smartphone esta aplicação que nos vai oferecer uma grande quantidade de parâmetros: pressão recomendada e estado do asfalto, informações pormenorizadas do estados dos pneus e outros funcionalidades.

Tecnologia de competição no nossos veículos

A tecnologia Michelin Track Connect está inicialmente orientada para a condução desportiva e de competição. Procede diretamente da tecnologia desenvolvida pela marca francesa para competições como a F1 ou a GT Sport, mas agora está disponível para todos os amantes dos track days. Neste eventos, celebrados em circuitos de todo o mundo, os pilotos amadores colocam à prova as prestações de desportivos e de ligeiros de altas prestações.

Mas o destino final do Michelin Track Connect está nas ruas. Não será a primeira inovação do mundo da competição que termina sendo utilizada num carro ligeiro convencional. Neste sentido, os circuitos atual como um excelente banco de testes que leva ao extremo as condições que não encontramos numa estrada normal. Graças a isso, os condutores acabam por ser beneficiados por tecnologias de ponta dos monolugares e dos superdesportivos.

O carro conetado, o futuro da segurança rodoviária

O Michelin Track Connect não é o primeiro sistema de monitorização da pressão dos pneus. Já existem ferramentas como o TPMS que conhecemos como controlo da pressão dos pneus que nos avisam de uma perda de pressão através de sinais luminosos e acústicos no painel de instrumentos.
A tecnologia da Michelin será a primeira que permite que os nossos pneus se mantenham conetados conosco e forma inalâmbrica, com todas as vantagens que isso pressupõe: Por um lado, pode recolher um grande número de dados e informação com o nosso smartphone. Por outro lado, no futuro poderia permitir conetar-se com outros veículos, o que se denomina comunicacion Car2Car ou V2V. Isto permite que um condutor possa ser advertido dos problemas ou dificuldades que outro condutor atravessa. Mas também permite conetar-se com as infraestrutura rodoviárias para perceber o estado do asfalto, procurar a oficina mais próxima ou alertar os serviços de emergência.
O grande objetivo é que não seja apenas o veículo em si que se liga ao ecosistema, mas também os sues principais componentes, aqueles cujo estado possa influenciar na segurança rodoviária. Neste sentido, o Michelin Track Connect pode assinalar-nos o caminho do futuro.

Fonte: Michelin