Qualidade do sono afeta riscos de acidentes

6615417661_880a957c97_b

Na sociedade atual as pessoas ficam ligadas nas páginas sociais ou por vezes trabalham até tarde e não dormem o suficiente. Os condutores que conduzem com sonolência, mesmo durante o dia, comprometem a segurança rodoviária de todos os utilizadores da via pública, se dormiu mal na noite anterior planeie bem os momentos em que irá conduzir.

Os estudos sobre o sono indicam que tudo começa com uma sonolência que geralmente dura aproximadamente cinco minutos, se o individuo se deixar ficar no mesmo ritmo e na mesma atividade, acaba por adormecer, este estádio em condições normais (entenda-se quando vamos realmente dormir), pode durar de um a dois minutos, se for ao volante certamente envolver-se-á num acidente.

Naturalmente que ao adormecer todas as capacidades e habilidades cognitivas “desligam-se” e caso seja propenso a adormecer ou, por exemplo, se está diagnosticado como sendo narcoléptico abstenha-se de conduzir. Nos casos dos narcolépticos o sono noturno é altamente fragmentado, o que também acaba contribuindo para o aumento da sonolência durante o dia.

A chegada do “João Pestana”

Ao sentir as pálpebras a fecharem, a cabeça pesadas, notar que está a ficar com o olhar fixo, se começa a bocejar incessantemente. Não se engane é o sono a chegar, deverá procurar um local seguro e dormir por alguns minutos, antes que seja tarde demais.

Um condutor ensonado pode causar acidentes graves, geralmente acontece em situações monótonas, como estradas sem trânsito e à noite, e devido ao tipo de problema que os causam podemos particularizar os acidentes, normalmente são saídas da faixa de rodagem, colisões a alta velocidade em obstáculos parados, maioritariamente nas próprias proteções da via e ainda ocorrem alguns casos de quedas em precipícios.

Quem sofre de apneia do sono, caracterizada pelo fechamento repetitivo da passagem do ar na garganta, também está mais sujeito a adormecer ao volante, pois a qualidade do seu sono é pior que o de uma pessoa normal que não sofra dessa patologia.

Os condutores de veículos pesados profissionais, sejam de passageiros ou de carga, deverão ter maior atenção a este tema pois a “arma” que tem em mãos é de maior calibre, logo poderão ser maiores os “estragos” para todos.

Foto | Phil and Pam GradWell