Costuma ouvir música demasiado alto no automóvel?

música no automóvel

O sistema de áudio dos carros, seja para ouvir rádio, seja para escutar a sua playlist preferida num mp3 ou num serviço de streaming, é uma grande companhia dos condutores. Mas quantas vezes, o volume do som não é excessivo? Que consequências isto acarreta?

Para muitas pessoas, o gesto de ligar o rádio ou o sistema de áudio é dos primeiros assim que se entra no carro. E quando começa a tocar aquela música de que gosta realmente, a tentação quase imediata é de subir o volume do som. Por vezes, demasiado!

No automóvel, o som excessivamente alto que ouvimos pode tornar-se nefasto para a saúde auditiva, pois como nos encontramos num ambiente fechado, o som fica concentrado e não se propaga.  “Quanto mais alto o volume do som estiver, maior é a pressão sonora em ambientes fechados”, afirma a especialista brasileira em audiologia, Isabela Papera.

De acordo com a Direção Geral do Ambiente (DGA), mais de 60% da população portuguesa vive com níveis de ruído acima dos valores recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que se situam nos 55 decibéis (dB).

música no automóvel

E a partir de 85 decibéis de intensidade, esse som começa a causar danos cada vez mais graves às células ciliadas do ouvido – os recetores sensoriais do sistema auditivo – e aos nervos internos da orelha. Quanto mais vezes repetirmos este tipo de escuta, os danos agravam-se. É a chamada perda auditiva induzida pelo ruído. Traduz-se na morte prematura das células ciliadas do ouvido. Como não são regeneradas, a audição vai diminuindo, de forma lenta, mas progressiva. E irreversível.

A exposição durante uma hora apenas e constante (diária) dos nossos ouvidos a decibéis elevados, pode causar perda auditiva de grau leve, em cinco anos. O mais grave é que a perda auditiva é cumulativa e ainda que os seus efeitos não se sintam aparentemente de imediato, mais tarde eles virão à tona.

Isabela Papera refere que “dificuldades para ouvir e entender o que as pessoas falam, zumbido constante ou passageiro, e sensação de ouvido tampado são sinais que indicam que os danos auditivos já afetaram aqueles que ouvem som muito alto no carro ou frequentam ambientes barulhentos com frequência”.

música no automóvel

O volume do som dentro de um carro pode facilmente chegar a 100 decibéis. E se considerarmos que, além da música, temos todo o tipo de ruídos do trânsito, sirenes de carros de emergência e buzinadelas, facilmente se percebe que os danos para os nossos ouvidos são potencialmente grandes.

A sobre-exposição ao ruído tem ainda fortes e negativas implicações na saúde a outros níveis, pois induz ao surgimento de problemas do foro psicológico ou doenças cardiovasculares.

Para saber se o volume do sistema de som do automóvel não é excessivo, há um truque a seguir: tem de se conseguir ouvir o que os outros passageiros falam, inclusive os do banco traseiro, e os barulhos exteriores ao veículo.

Fotos: Wall-Pix.Net, lawyer.com, gracenote.com