A condução matinal sob influência de sono

A condução matinal sob a influência do sono

Muitos são os condutores que se queixam da condução matinal, pelo facto de ainda se encontrarem num estado de descompressão de uma noite de sono, tenha ela sido bem ou mal dormida. E muitos são os condutores que não identificam is perigos que correm ou proporcionam durante essa condução matinal.

Se há quem acorde e se levante sem dificuldade quando o despertador toca, outros há que a sirene do despertador apenas serve para informar que têm, apenas, mais cinco minutos até que volte a surgir o alarme sonoro de alerta para o despertar.

Quando conduzimos em “piloto automático”

Ao circularmos a caminho do trabalho, pela manhã, muitas são as vezes em que nos deparamos com viaturas a circularem bastante devagar, sem que nada seja perceptível que justifique tal situação. Na primeira oportunidade, ultrapassamos e efectuamos uma olhadela para o condutor do dito veículo. Só nesse momento constactamos o que se passa. Naquele momento, aquele condutor vai em “piloto automático”, pois está sujeito ao síndrome da condução matinal.

Se até aqui não há qualquer problema, este surge no momento em que analisamos mais aprofundadamente a questão de se circular naquelas condições. O estado de alerta é bastante baixo, a capacidade de reagir muito diminuta e a possibilidade de uma reacção estranha elevada.

Assim, temos um condutor mais exposto ao perigo e que condiciona a segurança rodoviária ao seu redor. Um condutor mais vulnerável, até porque, associado a este seu estado de quase inércia cerebral, normalmente, existe um rádio que emite um volume alto e uns vidros fechado que não permitem uma boa captura de estímulos auditivos vindos do exterior.

Se é um condutor que sobre do síndrome de condução matinal, esteja atento. Esse estado pode levá-lo à distração e expõe-o num perigo permanente. Quando algo acontece não reage atempadamente ou devidamente enquadrado com a situação e isso pode levar ao sinistro. Só nessa ocasião, após uma descarga de adrenalina, acorda realmente para a realidade rodoviária.