A necessidade de ver e ser visto

soosram201107-02_072dpiSabe o que é o efeito contraluz? Sabe que boa luminosidade não é sinónimo de boa visibilidade? Sabe porque circulam os motociclos de luzes de médios acesas? Sabe o que é a visão estereoscópica?  Sabe que o facto de circular com os médios acesos consegue diminuir em cerca de 30% o tempo que os outros utilizadores da via demoram a perceber a sua presença?

Vamos, eu e o leitor deste post, fazer uma curta pausa e uma análise concreta do tema. Lembre-se de uma estrada que habitualmente percorre e onde hajam algumas árvores, por exemplo, plantadas na berma e onde a espaços a sua sombra incida sobre a faixa de rodagem. Recorda-se de uma? Muito bem. Agora lembre-se daquele dia, num qualquer mês solarengo onde havia muita luminosidade e brilho.

Está recordado? Pois bem. Tem presente a dificuldade que teve em se aperceber se circulavam veículos em sentido oposto ao seu? Tal dificuldade deveu-se ao facto da sua iris ocular ter diminuído de dimensão para se proteger da imensa claridade que se verificava. Este é um reflexo físico natural.

Acontece que tal contração ocular não permite captar a pouca luminosidade que existe na zona da sombra. Não conseguindo captar a luminosidade que existe na zona de sombra, dificilmente fará o condutor uma boa recolha dos estímulos existentes no espaço da sombra e para lá dela. O que lhe aconteceu, foi que esteve exposto a um momento de contra-luz onde, apesar de haver boa luminosidade após a sombra, não havia boa visibilidade.

Experimente a colocar uma pequena luz no espaço da sombra e verifique o que acontece; continua a não conseguir avistar o eventual obstáculo, no entanto consegue avistar a luz emitida, pois essa luminosidade é forte suficiente para ser captada pela iris de dimensão diminuída.  Deste modo o seu cérebro consegue recolher aquela sensação e perceber que o espaço está ocupado, optando por uma ação diferente à que eventualmente escolheria se assim não fosse.

Com esta conclusão percebeu-se que, se os motociclos circulassem  com os médios acesos durante o dia, conseguia-se diminuir os elevados níveis de sinistralidade rodoviária envolvendo este tipo de veículos. Assim aconteceu. Agora pretende-se alargar a todos os países da Europa o que já acontece em alguns; automóveis a circularem durante o dia com os médios acesos. Para além de se combater o efeito contraluz, como já foi referido antes, consegue-se diminuir em cerca de 30%, segundo um estudo espanhol, o tempo em que  os demais utentes da via demoram a perceber a nossa presença.

Sabendo-se que uma criança com uma idade até, aproximadamente, os seis anos têm uma maior dificuldade de avaliar velocidades e distâncias de deslocação, o facto de os veículos transitarem de médios acesos vai auxiliar os mais pequenos a perceberem se os veículos estão imobilizados ou em movimento. deste modo consegue-se diminuir os atropelamentos.

Não sendo em Portugal, ainda, obrigatório o uso das luzes de médios durante o dia em condições normais de condições atmosféricas, é de sugerir que deem os condutores inicio ao processo de utilização, os formadores de escolas de condução essa formação e os examinadores esse incentivo.

E você, do que está à espera para circular com as luzes de médios acesas?

Foto | Siemens