SMS: Conhece os riscos de responder a uma mensagem enquanto conduz?

SMS

Hoje em dia os smartphones proporcionam-nos possibilidades infinitas de comunicação e entretenimento, chegando mesmo a ser difícil larga-los, tal a dependência gerada. Ao volante, no entanto, são um problema (evitável). Sabia que responder aos SMS enquanto conduz multiplica por 20 o risco de acidente? A distração faz com que o condutor desvie o olhar da estada e é um mau hábito que nos pode custar a vida.

Que SMS vale uma vida?

Nos Estados Unidos acontecem a cada ano mais de cem mil acidentes por este motivo, principalmente relacionados com respostas a mensagens, redes sociais e conversas telefónicas. Ler ou enviar mensagens pode multiplicar por 20 a probabilidade de sinistro e não faltam campanhas de prevenção rodoviária sobre esse assunto.

telemóvel

O popular lema «Se beber, não conduza» também pode ser alterado para «Se conduzir, não envie SMS», porque estamos de acordo em que «Não há um SMS pela qual valha a pena perder a vida». Mas este não é o único risco que cometemos sem motivo. Infelizmente, há certas atitudes ao volante que continuamos a ter sem dar conta do perigo. Aqui resumimos algumas das mais habituais:

Pôr o braço de fora da janela

estrada, janela

Uma atitude de liberdade, frescura e comodidade que pode supor um risco de amputação ou esmagamento. No verão é habitual ver quem descure a sua segurança, expondo membros pela janela do carro. Mas as lesões por colisão no antebraço ou no cotovelo são terrivelmente frequentes. E nem sequer acontecem apenas quando o condutor põe o braço de fora, mas também quando apoia o cotovelo na janela aberta.

Comer ou beber ao volante

comer

Um tipo de prática habitual que pode alterar a própria liberdade de movimentos, o campo necessário de visão e a atenção permanente à condução. Enquanto come ou bebe, existem mais probabilidades de sair da faixa em que circula e, portanto, vai acabar por fazer mais correções à trajetória. Isto deve-se, principalmente, à carga cognitiva que ambas as ações requerem, já que se pede maior atenção visual para descascar um alimento ou levar uma garrafa de água à boca, desviando a atenção da condução.

Caso o condutor sinta necessidade de comer ou beber durante trajetos longos, o melhor será fazer uma paragem em alguma estação de serviço para descansar e repor energias. 

Fumar e atirar as beatas

fumar

Fumar ao volante é considerada uma distração à condução e desde logo um perigo que também pode matar, tal como maquilhar-se, ou controlar os dispositivos eletrónicos, ainda que realmente seja pouco frequente que se multe por isso. Também atirar beatas (ou qualquer outro objeto) pela janela, além de pouco civilizado, é punível em Portugal com multa no valor de 120€.

Apoiar a mão no punho da alavanca da caixa

pinho da caixa

Talvez seja um hábito comum praticado por desconhecimento. Em termos de segurança, não é onde deve ter a mão apoiada. Em primeiro lugar, as duas mãos devem estar sempre no volante, com exceção de quando é necessário pôr mudanças, ajustar a climatização ou a música, por exemplo. A velocidade de reação perante um imprevisto concreto é tão fugaz que devemos manter sempre o controlo da direção.

Em segundo lugar, é essencial para a preservação da integridadade mecânica do nosso carro. Ao apoiar a mão sobre o punho, estamos a exercer uma certa pressão que é transmitida à caixa de velocidades. Isto a longo prazo pode criar certo desgaste nas engrenagens e rolamentos,  o que não é adequado para a correta manutenção do nosso automóvel. Ainda que seja um desgaste menor, não nos custa nada abandonar este mau hábito que, além disso nos fará ganhar em segurança.

Imagens | iStock demaerre stevanovicigor Deklofenak Nadezhda1906 last19 tommaso79 nd3000

Fonte: CirculaSeguro.com