Dez conselhos para evitar que lhe roubem o carro

Dez conselhos para evitar os assaltos aos carros

Durante os duros e ferozes anos oitenta, no meu bairro, encontravam-se frequentemente carros roubados por ladrõezecos que retiravam os rádios para os venderem logo de seguida, ali nas redondezas. Também era comum ver carros aos quais, durante a noite, tinham sido trocados os quatro pneus por tijolos e cheguei a ver, inclusive, mais de um pobre desgraçado que, de manhã, ao sair de casa, dava de caras com um enorme vazio no local onde, na noite anterior, tinha estacionado o carro. Eram tempos em que estes assaltos faziam parte da nossa vida quotidiana.

Tenho a sensação de que este tipo de situações se tornou menos frequente durante os prósperos tempos de bonança económica, mas, agora, pela keynesiana lei da vida, sinto que com a crise os assaltos podem voltar, se é que ainda não voltaram. Até porque se vão vendo, cada vez mais, bocados de vidro partido na estrada, que são um sinal de ações de vandalismo nos veículos.

Talvez por isso não seja má ideia compilar uma série de conselhos para evitar ou dificultar ao máximo os assaltos aos carros.

Dentro dos possíveis, estacionar em locais vigiados

Sim, é verdade, é impossível seguir este conselho em algumas ocasiões, mas, de forma geral e como tendência, devíamos procurar o melhor lugar possível para estacionar o carro e desconfiar se, quando estacionamos, vemos que todos os carros em redor apresentam algum sinal de terem sido forçados, ou se há vidros no chão.

Fechar sempre o carro e guardar as chaves

Os carros têm portas e janelas por um motivo. Antes de sair do carro, certifique-se de que tanto as portas como as janelas estão bem fechadas. Guarde as chaves imediatamente e de forma discreta, num sítio seguro. É preferível guardá-las no bolso das calças do que no casaco, ou numa mala. E, sobretudo, fazer sempre isto, já que mesmo que a nossa ausência seja curta, um ladrão bem treinado pode assaltar-nos o carro numa questão de segundos.

Manter os documentos seguros

Deixar os documentos dentro do carro é quase como oferecer um presente ao primeiro transeunte que por ali passa. Nesse sentido, vale a pena lembrar que é legal circular com fotocópias de toda a documentação (carta de condução, certificado de registo e livrete do carro) desde que devidamente verificados por alguma entidade oficial.

Circular sempre com as portas trancadas

Os semáforos são o local ideal para qualquer patife abrir a porta do carro e roubar-nos numa questão de segundos, sem que tenhamos tempo de reagir. Se nos habituarmos a viajar com as portas trancadas, essa tarefa torna-se mais difícil para quem nos quer roubar pelo caminho.

Ignorar as “pessoas que nos avisam”

De nada serve circular com as portas trancadas se as abrirmos à primeira ocasião que surja. Chamar-nos a atenção com uma desculpa qualquer é um truque muito usado pelos ladrões (seja um “leva o pneu furado” ou até um simples “olhe, desculpe”). É o suficiente para que enquanto desviamos o olhar, alguém nos desfalcar. Outro truque que, de vez em quando, circula por e-mail, é colocar uma folha de papel na janela de trás do carro para que tenhamos que sair do carro para a tirar e, enquanto isso, nos levam o carro.

Tanto quando carregamos ou descarregamos

Há muitos ladrões que se tentam aproveitar dos nossos descuidos nos parques de estacionamento dos hipermercados, enquanto estamos ocupados com o carrinho de compras, as carteiras e outras distrações. Nestes casos, convém estar alerta, e se alguém mete conversa connosco e não podemos ignorar, o melhor é fechar a mala e o carro todo até que o risco tenha passado. Se o nosso interlocutor desconhecido for só uma pessoa que quer conversa, então há-de perder a vontade de falar. E, se tinha outras intenções, vai procurar outro condutor mais imprudente.

Não deixar nada à vista

Mas mesmo nada. Nem sequer um pobre casaco, e muito menos uma mala, de conteúdo misterioso. O que para nós tem pouco valor pode parecer uma enorme recompensa a alguém que o veja do lado de fora, pelo que, o melhor, é não deixar nada que possa chamar a atenção à vista. Se tem que deixar alguma coisa no carro, o melhor é colocar na mala, antes de chegar ao destino. O mesmo se aplica, por exemplo, quando vamos ao centro comercial, pousamos as compras no carro mas queremos voltar às lojas. O melhor é deixar o carro num sítio mais distante do que praticamente deixá-lo com um bilhete a dizer: “carro cheio de compras: roubem-me”.

Colocar parafusos antirroubo nos pneus

Colocar um parafuso antirroubo em cada pneu pode ser uma boa opção para evitar que o nosso carro surja, de manhã, com tijolos no sítio das rodas. Ao fim de contas, quem quiser roubar os pneus do nosso carro tem que fazê-lo rapidamente, e por isso, um carro que apresente obstáculos não lhes interessa. E, claro, o adaptador do parafuso deve ficar num local mais bem pensado do que o porta-luvas. Coloque a imaginação a trabalhar e escolha um esconderijo.

Gravar as matrículas nos vidros

Era uma técnica muito usada durante vários anos mas que caiu em desuso. No entanto, pode ser útil para dissuadir os ladrões de carros no momento em que vêm que é inútil colocar matrículas falsas, porque em cada vidro vai estar gravada a matrícula original do veículo.

Instalar um localizador GPS

Um localizador por GPS não vai evitar que o carro desapareça, mas pode servir para gerir de forma mais rápida a sua recuperação. Como é óbvio, o localizador tem que estar sempre ligado e estrategicamente localizado, de forma a evitar que qualquer pessoa se possa desfazer dele.

Finalmente…

Este décimo primeiro ponto não é tanto uma dica, mas sim um conjunto de questões que devem ser tidas em conta. Em primeiro lugar: a discrição é fundamental para prevenir os assaltos, pelo que se andamos com barras de ouro dentro da mala e à vista de toda a gente, o melhor é prepararmo-nos para ser assaltados. Por outro lado, é por possuirmos algo, que podemos ser roubados, e por isso, nenhum destes conselhos é o antídoto perfeito contra o roubo.

Posto de forma clara: se nos tiverem que assaltar, assaltam, mas, pelo menos, não lhes facilitaremos a vida.

Foto | ouz