Fadiga é preocupação no transporte rodoviário

A fadiga ao volante é um factor crítico junto dos profissionais do volante. Nunca insista em continuar a guiar, quando está ensonado.

Uma pesquisa da organização americana National Safety Council (NSC) apurou que 97% dos patrões de empresas envolvidas no transporte de mercadorias nos EUA estão preocupados com o problema da fadiga dos seus empregados e com o possível impacto que a fadiga tem nas operações e na segurança das mesmas.

Para quem passa horas quase infinitas ao volante, por essa ser a sua profissão, o cansaço representa um problema fulcral no setor dos transportes rodoviários.

Dados para refletir

A NSC reuniu pesquisas que mostram que:

  • Um condutor tem três vezes mais hipóteses de se envolver num acidente de viação se estiver cansado;
  • Mais de 5.000 pessoas morreram em acidentes relacionados com a condução sonolenta em 2014;
  • Perder até duas horas de sono é semelhante ao efeito de ter bebido três cervejas;
  • Estar acordado por mais de 20 horas é o equivalente a estar legalmente bêbado.

De acordo com a American Sleep Foundation, cerca de metade dos condutores adultos dos EUA admitem estar atrás do volante quando estão sonolentos. Cerca de 20% reconhece mesmo adormecer ao volante em algum momento durante a condução.

No Circula Seguro, queremos aqui alertar para este sério problema, destacando alguns dos sinais e sintomas que sugerem estar-se perante uma condução sonolenta:

  • Bocejar com frequência e dificuldade em manter os olhos abertos
  • Ter problemas para manter sua cabeça erguida
  • Incapacidade de lembrar por onde passou nos últimos metros
  • Ignorar sinais de estrada ou falhar saídas de estrada
  • Dificuldade em manter uma velocidade constante
  • Efetuar uma condução aos ziguezagues