Guia para uma grávida colocar o cinto de segurança

Gravidez e condução é para muitas mulheres uma dúvida constante. É prejudicial para o feto? Em caso de acidente tenho mais probabilidades de sofrer algum problema? É permitido conduzir durante a gravidez? Estar grávida não tem qualquer incompatibilidade com circular ao volante de um veículo, mas é imprescindível fazê-lo com o cinto de segurança colocado. Durante a gravidez é possível fazer a vida normal, na qual se inclui a condução ainda que se devam tomar uma série de precauções.

Vida normal sim, mas sempre com o cinto

Estar grávida não obriga a nenhuma diminuição significativa das capacidades ou habilidades para ter um dia a dia absolutamente normal, ainda que seja verdade que é importante, perante qualquer dúvida, que se consultem médicos ou enfermeiros para perceber quais as indicações médicas em cada caso. As atividades que uma futura mamã pode realizar, mesmo num estado avançado da gravidez, são muito vastas e a condução é uma delas.

Em qualquer caso há que ser prudente. Por ano, os acidentes de trânsito poderiam causar a interrupção de 200 a 700 gravidezes, pelo que é imprescindível a utilização do cinto de segurança, ainda mais durante a gestação. Este é o elemento de prevenção essencial durante a viagem de carro e a sua colocação correta pode, não só salvar a vida da mãe, mas também a do feto.

Em nenhum caso o cinto pode ser um perigo para o bebé, nem é necessário adaptá-lo de uma forma concreta. Como medida de proteção principal em caso de acidente, deve ser posto de maneira adequada para garantir a segurança. Mais à frente vamos descobrir algumas das barbaridades a evitar.

Como colocar o cinto se estiver grávida

Para evitar mitos e lendas sobre a condução na gravidez, vamos deixar aqui algumas das recomendações mais importantes a ter em conta para colocar bem o cinto de segurança, para que nem você, nem ninguém, estejam expostos a riscos desnecessários:

Resta dizer que as mulheres grávidas devem colocar o cinto de segurança em qualquer assento do veículo que estejam, de acordo com algumas normas muito simples. Em primeiro lugar, deve colocar bem a faixa inferior, sempre por baixo do abdómen, ajustando-a o máximo possível à parte óssea das ancas. Como veremos adiante, esta faixa nunca se deve pôr em cima da barriga ou atrás das costas, pois é ela que vai assegurar que nos mantemos sentadas de forma mais efetiva.

A faixa diagonal, por seu turno, deve passar sobre o ombro até às ancas, sem roçar no pescoço, no meio do peito e rodeando o abdómen, sem pressionar qualquer destas zonas. Assegure-se de que não há folgas, pois perante uma travagem brusca é ela que impede de sair disparada para a frente.

Claro, não deve esquecer outras recomendações igualmente essenciais antes de entrar no carro, caso esteja grávida:

  • A distância entre o assento e o volante deve regular-se de acordo com o estado da gravidez.
  • Não desligue nunca o airbag do banco dianteiro, é o seu salva-vidas.
  • Conduza em trajetos curtos, circulando pausadamente e com movimentos suaves. Descansar de pouco em pouco tempo é a melhor forma de manter sempre a concentração quando está ao volante.
  • A gravidez supõe certas alterações físicas que podem afetar a capacidade de conduzir tais como os níveis de açúcar, o inchaço das pernas, náuseas e vómitos, etc. Questione o seu obstetra sobre a sua própria compatibilidade com a condução.
  • A partir das trinta semanas de gravidez procure viajar acompanhada, sempre que seja possível.

Barbaridades e mitos que deve evitar

A Internet é uma fonte inesgotável de informação incorreta que costuma reduzir a realidade a circunstâncias e experiências próprias de cada um. Existem fóruns onde as recomendações feitas às mulheres grávidas são verdadeiras barbaridades às quais não deve dar qualquer atenção. O cinto de segurança é a medida de prevenção mais importante a bordo de um veículo e deve ser usado corretamente. A Fundación MAPFRE, enumera alguns dos mitos mais comuns na forma de colocar o cinto:

  • Caso apenas use a faixa horizontal, dá-se o efeito “submarino”: o corpo desliza até abaixo e fica encaixado entre o tablier e o assento da frente.
  • Se a faixa horizontal estiver mal colocada sobre o peito, pode causar lesões graves, hematomas e traumatismos nesta zona.
  • Com a faixa diagonal debaixo do braço, o cinto pressionará as costelas, provocando graves lesões internas no fígado ou no baço.
  • Com a faixa horizontal sobre o abdómen, em caso de colisão, as forças que se geram podem causar a rotura do útero.
  • Se ambas as faixas estiverem folgadas (por colocar uma pinça, uma almofada, a mão…), anula-se a eficácia do cinto de segurança e é como se não o levasse posto.

Em caso de acidente, uma grávida pode sofrer lesões fatais. Entre estas lesões encontramos a possibilidade de parto prematuro, que se multiplica por duas nas 48 horas seguintes ao acidente; também é possível que o peso do bebé ao nascer se veja reduzido; que se produza um descolamento prematuro da placenta, consequências que podem ir do sofrimento fetal até à sua morte. Por tudo isso, caso sofra um acidente, por leve que seja, vá ao obstetra e faça um check-up médico o mais depressa possível.

Fonte: CirculaSeguro.com

Imagens | iStock dusanpetkovic Martinan