Maio é mês de peregrinação ao santuário de Fátima

Maio é mês de peregrinação

O mês de Maio, em particular, já lá vão muitos anos, é um mês de peregrinação ao Santuário de Fátima na Cova de Iria. Assim, seja-se ou não crente, o certo é que todos quantos utilizamos as estradas portuguesas para circular, por esta ocasião do ano, encontramos muitos peregrinos em movimentação.

Se tentássemos contar o número exacto de pessoas que utilizam, por vezes desordeiramente, a via publica, iriamos constactar que são muitas mais do que as que seriam desejáveis ou espectáveis. Nesse sentido, cabe também aos condutores perceberem que maior parte das vezes esse desrespeito pelo espaço ocupado não se deve a uma premeditação, mas sim a um estado de euforia que consome alguns elementos dos grupos organizados.

Organização Peregrinação Segura 2014

No sentido de garantir a maior segurança possível aos peregrinos que se deslocam a pé para Fátima, mas também uma maior segurança a quem se desloca à parte desta quadra religiosa, a Guarda Nacional Republicana colocou nas estradas, a operação “Peregrinação em Segurança 2014“.

Nesta operação de segurança, a GNR procurou uma proximidade aos peregrinos que, muitas vezes, circulando em grupos bastante numerosos, estão sujeitos a utilizações menos seguras da via pública, seja por ausência de bermas ou caminhos apropriados para a circulação pedestre, seja por diminuto espaço de berma, quando ele existe.

Uma vez que se comemorou a Semana Mundial da Segurança Rodoviária, os militares da força de segurança distribuíram pelos peregrinos material informativo, fornecido pelos promotores da iniciativa, assim como deram apoio no encaminhamento de percursos alternativos e mais seguros.

Numa segunda fase, os militares da GNR procederam à vigilância e orientação de toda a envolvência do Santuário, com vista a minimizar os possíveis conflitos rodoviários motivados pelo elevado número de viaturas ligeiras e autocarros que afluem para a localidade e que depois das comemorações dela partem de regresso ao seu ponto de partida.

Foto¦ AE