Mudar as mentalidades no ensino da condução

mudar mentalidades

Em qualquer atividade o passo mais difícil é o mudar de mentalidades, o mesmo se passa quando tentamos mudar as mentalidades no ensino da condução, pois isso acarreta que conscientemente o individuo se aperceba que pode e deve mudar a sua forma de entender o mundo que o rodeia.

Ao entrar num carro, para o conduzir, muitas pessoas mudam de personalidade, infelizmente para pior, tornam-se desligadas do mundo exterior, sem a noção do que a sua atitude e ações causam nos outros utilizadores da via pública, despoletando situações perigosas.

A violência gratuita

Muitos condutores comportam-se como “prima donas” quando estão ao volante de uma viatura, sendo atingidos por uma dose descomunal de ego. O que não é bom sinal para ninguém, nem para o próprio que sofre o ataque, e muito menos para quem se cruza com ele.

Esses comportamentos são em geral problemas que advém do ambiente que estiveram envolvidos aquando do início das aulas de condução do condutor em questão, não as aulas oficiais, mas as outras, aquelas junto com os pais ou familiares, onde são empurrados e instigados a fazer algo que não querem… ok, por vezes até queriam aprender, mas não com a pressão que foram sujeitos.

O excesso de pressão dos familiares na aprendizagem provocam situações onde surgem pressões psicológicas, ou situações limite, ocasionados por influências externas, levando a comportamentos agressivos por incentivo dos familiares como forma de ultrapassar o medo de quem dá os primeiro passos na condução. É importante que quem “ensina”esteja vigilante para perceber se além da pressão externa normal, não estamos a tentar reagir a uma situação de pressão com violência.

Os familiares geralmente não possuem preparação pedagógica específica para conseguir ministrar este tipo de formação, para isso existem as escolas de condução. Senão vejamos, os bem-intencionados familiares do futuro condutor, por vezes, não lidam bem com os erros cometidos e iniciam-se os julgamentos e comentários pouco abonatórios, como forma de motivação, que não funciona.

Imitação de comportamentos

Mudar mentalidades, ou seja, mudar a forma de fazer uma atividade considerada normal por muitos, é um processo que demora por vezes gerações e exige uma alteração ao nível dos valores e padrões de uma dada sociedade ou cultura.

Por estarmos numa sociedade que apela ao individualismo e ao bem-estar, confundindo-se este, muitas vezes, com egoísmo e violência, a indicação de ser preferível que o seu filho ou filha tenha as primeiras experiencias de condução através de uma escola de condução, por profissionais preparados para o efeito e com os meios adequados e num ambiente considerado como correto.

Mudar as mentalidades no ensino da condução

Quando a iniciação na condução é feita ainda em tenra idade, ministrada por alguém sem a preparação correta para transmitir essa informação, alguns maus hábitos são adquiridos, por mais que o instrutor no ensino oficial tente corrigi-los o número de aulas é insuficiente e o objetivo é conseguir obter a licença de condução.

Este é um dos casos de como a educação e os modelos a que assistimos desde crianças podem influenciar o modo como agimos e pensamos, pois o ensino oficial parte do princípio que cada aluno é uma folha em branco e que as únicas informações sobre condução que obtêm é através dela, o que como sabemos nem sempre é verdadeiro.

Se tem algum familiar adolescente e que pretenda aprender a conduzir, faça-lhe um favor, compre-lhe algumas aulas extra na escola de condução que escolham para obter a licença de condução, essas aulas serão mais proveitosas para o futuro desse jovem como condutor responsável, no futuro terá os resultados.

Foto | SG