Relembrar o básico para uma condução segura (7): Maus condutores

bad driving

As melhorias na tecnologia tanto a nível dos automóveis como da construção das estradas melhorou a experiencia da condução, mais pessoas conduzem com mais comodidade e por distâncias cada vez maiores, muitas afirmam que já praticam uma condução segura.

Nós conduzimos carros mais seguros, em estradas mais seguras, ouvimos décadas de publicidades e campanhas de informação pública sobre condução segura, como resultado disso os números de acidentes baixaram, os mortos e feridos também diminuíram, mas será que ainda nos lembramos do básico? Quem são os maus condutores?

Se todos afirmam que se lembram do básico então porque acontecem ainda tantos acidentes rodoviários? Mais, se nos lembramos das regras básicas e achamo-nos bons condutores, porque é que a maioria dos acidentes é resultado de erro humano?

É um fato que a melhor maneira de reduzir o risco de estar envolvido em um acidente é a prática de comportamentos de condução segura. Se está apenas aprendendo a conduzir ou já é experiente atrás do volante, é uma boa ideia rever algumas regras básicas.

Maus condutores

Às vezes, não importa o quão seguro você conduz, poderá estar conduzindo dentro do limite de velocidade e obedecer a todas as regras de trânsito e os outros condutores podem não o fazerem, como estará seguro na estrada?

Alguns especialistas recomendam que uma boa regra para usar é: “Suponha que todos os outros na estrada são maus condutores”, em outras palavras, esteja preparado para mudanças imprevisíveis de faixa de rodagem, travagens bruscas, mudanças de direção sem pisca, desvios e todos os outros maus comportamentos ao volante que possa imaginar.

É impossível listar todas as coisas possíveis de outro condutor fazer, mas existem alguns exemplos comuns. Se está saindo de uma garagem, ou outra situação que não tenha prioridade, e um carro que se aproxima faz sinal de luzes, não assuma que é para avançar.

Se está se aproximando de um cruzamento onde tem prioridade e um outro carro se aproxima, não assuma que o outro vai realmente parar. Ao se aproximar, alivie o pé do acelerador e esteja preparado para travar.

Mas estar preparado requer consciência, por isso certifique-se de verificar os espelhos e manter-se atento às ruas laterais para que saiba que os outros carros estão ao seu redor. Não se concentre apenas na estrada em frente do seu carro.

“Os outros”

Em Portugal, quando se trata de se auto-avaliar ao volante, somos os melhores do mundo, ou melhor cada um acha que é o melhor do mundo, os outros é que não sabem conduzir, são os outros que fazem asneiras e são os outros que não respeitam as regras.

Num artigo do Público sobre prevenção rodoviária mais de metade dos condutores portugueses afirmavam que acha que os “outros” são maus condutores, mas quando inquiridos sobre se passar um sinal amarelo é perigoso, 82% acha que não.

Sessenta por cento assume que anda em excesso de velocidade nas cidades e 51 nas auto-estradas, 38% dos condutores, mesmo depois de duas bebidas, afirma que não se preocupa com o álcool quando conduz.

Quase todos reconhecem que conduzem depressa e a escassos metros do carro da frente, falam ao telemóvel e alguns ainda conduzem sem cinto de segurança, apesar de reconhecerem que estas são situações de elevado risco, quer para eles quer para os outros.

Mas ainda temos salvação, pois segundo esse estudo, 85 por cento dos condutores portugueses acham muito importante a prevenção rodoviária, se o investimento na formação existir os condutores evoluirão, não se melhora através da repressão, mas sim através da educação.

Foto | Nabeel Ahmad

  • lpa

    maus condutores, cada vêz há mais, por inconpetência, falta de respeito, por vaidade etc.