Lisboa vai ter mais radares de velocidade. Esteja atento!

radares

Aos atuais 21 radares de controlo de velocidade, a Câmara Municipal de Lisboa vai adicionar mais equipamentos. Não se sabe quando nem quantos, mas o melhor é respeitar o Código para não ser apanhado desprevenido.A Câmara Municipal de Lisboa tenciona aumentar a quantidade de radares para controlar as velocidades. O intuito é dissuadir os automobilistas de carregarem a fundo no acelerador. Atualmente, existem na cidade 21 radares fixos.

Os novos radares estarão, tal como agora, previamente sinalizados, sendo antecedidos de sinalética com a indicação de “Por favor abrande”.

As novidades foram transmitidas ao Diário de Notícias pelo vereador da mobilidade, Miguel Gaspar, que sublinha que o desejo é que “[os radares] tenham um efeito dissuasor para que exista segurança rodoviária”.

O vereador não adiantou ao Diário de Notícias quantos radares serão. Também não se conhece quando começarão a ser montados. No entanto, fez saber que serão colocados em zonas mais problemáticas, pelo que esta ilação pode levar a que artérias como a Segunda Circular (a via com mais acidentes, mortos e feridos graves da capital entre 2010 e 2016), o Eixo Norte-Sul ou a Avenida Infante D. Henrique possam ser contempladas.

“Os condutores têm mais cuidados a andar na zona central da cidade. Mas depois nas áreas de maior velocidade já não. É aí que se tem de intervir”, declara Miguel Gaspar.

Câmaras de vigilância

Outra ideia da edilidade alfacinha é colocar 120 câmaras de vigilância nos semáforos ao longo da cidade. Aqui, o propósito é, entre outras funções, detetar e novamente dissuadir os condutores de passarem o vermelho.

Para concretizar esta estratégia, o município da capital tem previsto um investimento de cinco milhões de euros em semáforos e sistemas de vigilância, como deu conta Miguel Gaspar ao Diário de Notícias.

Ainda nesta entrevista, este responsável camarário, afirmou também que será penalizado de forma mais incisiva o estacionamento em segunda fila. Trata-se de um fenómeno responsável pela interrupção do serviço de autocarros ou eléctricos da Carris. Contudo, numa primeira fase a atuação das autoridades será preventiva.

“Em breve vamos começar uma campanha de comunicação para sensibilizar as pessoas que têm de perceber que onde passa o autocarro da carris e no centro da cidade não vamos ser tolerantes”, afirma o vereador da mobilidade.

Foto: notíciasaominuto