Guias sonoras no eixo central. Funcionam?

 

Em alguns países europeus já se utiliza uma guia sonora no eixo central da via para evitar que os choques frontais aconteçam. Os resultados têm sido positivos, com uma redução evidente no número de acidentes. Seria uma boa solução para Portugal?

Em Espanha, ao abrigo do plano de luta contra a sinistralidade rodoviária, o Ministério do Interior decidiu tomar uma nova medida no passado mês de janeiro. Tendo em conta que mais de metade das mortes em acidentes rodoviários aconteceram por saídas de estrada a partir de esquerda, o IMT espanhol (a DGT) começou a implantar guias sonoras no eixo central da estrada que alertam o condutor em caso de um desvio involuntário de faixa de rodagem. Desta forma, pretende-se evitar os choques frontais em consequência de um erro humano na condução. As colisões frontais são a causa de muitas mortes na estrada e a utilização deste tipo de solução acaba por funcionar de forma perfeita.


Esta medida de baixo custo pretende reduzir as saídas de estrada e as colisões frontais alertando de forma sonora e através de vibração os condutores que sofram uma distração ou sonolência, para corrigirem a sua direção. As guias sonoras no eixo central são elementos rugosos situados sobre a linha longitudinal central do pavimento. Têm 20 cm de largura e 1,2 cm de profundidade, e sempre que o pneu lhes passa por cima provovam som e vibração.
As vantagens da utilização deste sistema são variadas, como por exemplo, uma sonoridade e intensidade de alerta maior sobre os condutores, sobretudo no caso dos camiões, autocarros e veículos pesados, por causa da sua largura. Não requerem manutenção continuada, pois não se desgastam com o passar dos veículos, com o gelo nem com a temperatura. São compatíveis com o trabalho dos limpa neves, não são afetadas pela repintura das marca na estrada e nos casos de pavimentos deteriorados pode aplicar-se uma película impermeável com um tratamento superficial de pintura para impedir que a humidade se infiltre colocando em perigo a integridade da banda. Não provoca quaisquer dificuldades nas ultrapassagens, nem interfere com a circulação. Não afeta os ciclistas.
Em traços gerais, foi estipulado que cerca de 79% dos acidentes em estradas de dois sentidos podiam ser reduzidos graças a esta medida, o que pressupõe evitar entre 2 a 3 mortes. Em ação conjunto com os sistemas de alerta de saída de faixa que a maioria dos veículos utilizam, podemos estar a falar de uma segurança rodoviária total.
Este sistema já é utilizado em outros países, mas em Espanha tem-se destacado até pela desaceleração no número e choques frontais.

Fonte: Circula Seguro.com