Impacto económico de 24 mil milhões de euros em 10 anos

Impacto económico

Quanto é que o país está a perder do ponto de vista económico e social com o elevado número de acidentes de viação?

A sinistralidade rodoviária é um flagelo. São milhares de pessoas que perderam a sua vida ao longo de anos e anos e que alguns especialistas têm analisado o quanto é que o país está a perder do ponto de vista económico e social com tamanho derramamento de sangue.

Alguns indicadores apontam para que a sinistralidade rodoviária no nosso país possa ter um impacto económico e social que equivale a 1,2% do PIB (Produto Interno Bruto), ou seja, valerá qualquer coisa como 2,3 mil milhões de euros.

Através da avaliação da evolução da sinistralidade nos últimos 10 anos, o Observatório ACP (do Automóvel Club de Portugal) publicou um estudo que salienta que na última década, a sinistralidade rodoviária no nosso país teve um impacto económico e social brutal, superior a 24 mil milhões de euros. Vejam-se os números trabalhados pelo ACP:

Impacto económico

Impacto económico

Impacto económico

Fonte: Observatório ACP.

Por seu lado, o investigador Alberto José Carvalho Simões, na sua tese de Mestrado Integrado em Engenharia Civil – 2014/2015, pelo Departamento de Engenharia Civil, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, em 2015, analisou os custos hospitalares dos acidentes rodoviários, analisando por um lado, os registos dos três maiores hospitais da região do Grande Porto (Centro Hospitalar de São João; Hospital Geral de Santo António – Centro Hospitalar do Porto; e Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia-Espinho), e por outro lado, uma base de dados resultante da ligação dos dados dos mesmos hospitais com os registos das autoridades policiais.

Custos hospitalares

Através da informação do Código Grupos de Diagnóstico-Homogéneo, este investigador, cuja tese pode ser consultada online aqui, obteve um valor médio anual superior a 4,8 milhões de euros para os custos hospitalares das vítimas registadas nos hospitais em estudo no período entre 2006 a 2011. Extrapolando este valor para o custo total dos acidentes rodoviários, o seu impacto é de 11,1 mil milhões de Euros por ano, ou seja, 6,3% do PIB português de 2013.

Reforça ainda o investigador Alberto Carvalho Simões que “da mesma forma, reportando o valor calculado “neste estudo ao estudo dos investigadores portugueses Donário e Santos, em 2012 [na obra “Custo Económico e Social dos Acidentes de Viação em Portugal”], pode-se concluir que os custos hospitalares representam 1,63% dos custos socioeconómicos totais dos acidentes rodoviários. Segundo o mesmo estudo, os acidentes rodoviários em Portugal são da ordem dos 3,6 mil milhões de euros por ano, valor este obtido sem considerar o peso da perda de qualidade de vida. Este valor representa cerca de 2,1% do PIB português em 2013”.

Dados de estudo americano

Nesta dissertação de Alberto José Carvalho Simões, é referido que “para se relacionar os resultados deste estudo com os custos estimados relacionados com a perda de qualidade de vida é necessário recorrer a trabalhos realizados fora de Portugal. Segundo o estudo norte-americano de 2010 [“The economic and societal impact of motor vehicle crashes”, de Blincoe, Miller, Zaloshnja e Lawrence], o valor associado à perda de qualidade de vida representa 68% do custo total dos acidentes rodoviários, consequentemente chega-se ao valor total dos acidentes rodoviários em Portugal de cerca de 11,1 mil milhões de euros. Representando 6,3% do PIB de Portugal em 2013”.