Operação “Natal Tranquilo” da GNR

Operação Natal Tranquilo

Mais um ano que terminou e outro que se inicia, com promessas, muitas promessas de melhores atitudes e comportamentos sociais. Mas será que é mesmo assim? Será que essas promessas são proferidas com a real intensão de serem respeitadas, ou serão meras palavras atiradas ao vento num descampado de montanha?

Coloca-se a questão, uma vez que, após mais uma quadra natalícia, onde a GNR colocou milhares de efectivos na rua a controlar e orientar o trânsito, com mensagem diárias, nos meios de comunicação social, dissuasoras de qualquer infracção que pudesse condicionar a segurança dos utilizadores da via, os números registados e ainda provisórios são aterradores.

Os valores que nos devem fazer pensar

Poderá parecer repetitivo estar, de tempos a tempos, a escrever aqui sobre os valores da sinistralidade rodoviária em Portugal, que a GNR e a PSP vão efectuando nas suas centenas de milhares de horas e quilómetros nas estradas de Portugal. No entanto, as melhoras são tão poucas e por vezes nulas, que nunca será demais alertar os leitores para este nefasto fenómeno.

A GNR colocou na rua a operação “Natal Tranquilo 2014“. Ainda que sejam provisórios alguns dos valores, apenas tendem a piorar, uma vez que não se encontram contabilizados a 30 dias para efeitos de feridos graves. Assim, e para que todos nós possamos reflectir sobre o que aconteceu entre os dias 23 e 28 de Dezembro passado, simples 5 dias, ficam os valores;

Foram registados 935 acidentes rodoviários, menos 558 do que na mesma operação no ano de 2013. Destes, resultaram, podendo aumentar, 14 vitimas mortais, mais 3 que no ano de 2013, no mesmo período de avaliação, 18 feridos com gravidade, menos 3 que no ano anterior e 259 feridos leves, também aqui menos 202.

Os 7 870 militares da GNR, que patrulharam as estradas portuguesas, detectaram 194 crimes, sendo 136 por condução com taxa de álcool superior a 1,20 g/l sangue, o que continua a não se compreender, pois existe bastante informação para que os condutores não conduzam se ingerirem bebidas alcoólicas, 51 condutores sem habilitação legal para conduzir e 7 outros crimes não referenciados.

As infracções que se praticaram ao longo de 3 dias

Os operacionais da GNR, ao longo desses 5 dias registaram ainda 317 infracções por condução com taxa de álcool superior ao permitido por lei, mas que no entanto não excedeu os 1,19 g/l sangue, em 22 665 testes realizados.

Das 274 079 viaturas controladas através dos radares homologados que a GNR dispõe ao seu serviço, 4 576 foram os condutores detectados em excesso de velocidade, muitos deles com valores a rondar os 90 km/h em locais no interior de localidades.

358 foram as viaturas detectadas sem terem a inspecção periódica obrigatória realizada, 343 os condutores que circulavam sem cinto de segurança ou acessórios de retenção para crianças, 289 com uso continuado do aparelho de telecomunicação móvel e 152 as viaturas que circulavam sem seguro de responsabilidade civil, obrigatório para todos os veículos motorizados e seus reboques.

Neste momento encontra-se a desenrolar a operação “Ano Novo Seguro“, que teve inicio às 00 horas de dia 31 e vai terminar às 24 horas de dia 4 de Janeiro. Espera-se que que os valores sejam nulos ou o mais baixos possíveis. À hora que este artigo está a ser escrito, nesta operação já se encontram registados 287 acidentes, com 1 vitima mortal, 8 feridos graves e 88 feridos ligeiros.

Foto¦ A voz do policia