Quais são os carros mais fiáveis?

Quais os carros mais fiáveis? Como poderá escolher um ao invés de outro? Essa preocupação aumenta na compra de um carro. Afinal este trata-se, geralmente, do segundo maior investimento de um indivíduo após a habitação própria.

Assim, depois de procurar o tipo de veículo que satisfaça a sua necessidade, por regra fica com lote de carros para a escolha final. Descubra, aqui, quais as marcas que atualmente sofrem menos avarias e decida bem a sua escolha.

Em qualquer compra que fazemos tentamos sempre adquirir o melhor possível. Mesmo que limitados ao dinheiro que pretendemos dispender, ou que podemos dispender, para esta aquisição. Quando se tratam de valores avultados, como é este o caso, esse cuidado aumenta.

Estudo de fiabilidade

Um estudo da “Organización de Consumidores y Usuarios” (OCU) baseou-se numa amostra de 76 000 veículos novos. Foram analisadas a quantidade e o tipo de avarias registadas nos últimos 12 meses pelos condutores dos veículos em questão.

Os dados tiveram origem em 5 países europeus. Como Portugal foi um deles, este estudo é relevante. Incluiu ainda a vizinha Espanha, a França, a Itália e a Bélgica. O resultado determinou a tabela que se segue, ordenada com as 10 marcas automóveis mais fiáveis:
Lexus – 95 pontos
Toyota – 93 pontos
Honda – 93 pontos
Porsche – 93 pontos
Mitsubishi – 92 pontos
Jaguar – 91 pontos
Mazda – 91 pontos
Audi – 91 pontos
BMW – 91 pontos
10º Kia – 90 pontos

Custos “extra” após compra

Ao adquirir um carro novo devemos prever a frequência das revisões. Se está não pretende ir ao mecânico mais vezes do que a revisão de rotina, convém rever as escolhas. Ainda assim, o custo monetário gasto em reparações num veículo novo poderá até ser mitigado devido à garantia do fabricante.

Mas o tempo que perde a resolver os problemas é irrecuperável. A perda de valor de mercado que esse modelo sofrerá devido à “má fama” será outro fator. Assim, a fiabilidade é sempre um fator primordial quando pensamos em adquirir um carro novo, ou até usado. Quanto mais fiável, maior durabilidade, mais rentabilidade de uso e menos preocupações terá no futuro.

As outras marcas não prestam?

O que fazer se a marca que pretende não se encontra entre este lote? Não deve comprá-la? Nada disso, pode comprar, mas esteja um pouco mais atento e consciente. As marcas atualmente no mercado têm cada vez mais cuidado com a construção e qualidade dos seus veículos.

Umas conseguem-no fazer melhor, outras têm mais dificuldade. Mas, se reparar a diferença em pontuação entre a primeira e a décima são só 3 pontos. As principais marcas japonesas e alemães destacam-se. Mas existem também no top 10 uma marca inglesa e outra coreana.

Entre as avarias mais comuns destaca-se o equipamento elétrico e o sistema de travagem. Na parte elétrica, os sistemas de infotainment são responsáveis por cada vez mais falhas reportadas. Algumas originadas em má funcionalidade do sistema, outras em má programação do software.

A verdade é que quanto mais funcionalidades e mais sistemas existem, maior a probabilidade de alguma falhar. Mas existem imensas variáveis que influenciam o surgimento de algumas das falhas e problemas nos carros.

Podem ser defeitos de construção ou de montagem. Mas também podem ser derivadas ao tipo de utilização que damos ao veículo. Daí uma escolha inicial bem-feita ser o primeiro passo correto na direção ao sucesso.

Segundo informações de uma organização de consumidores, 30% dos compradores portugueses centra-se na fiabilidade da marca, no momento a escolha. Isso é relevante da importância dada a este fator. E ainda, revela maturidade por parte dos consumidores.

A diferença entre fiabilidade e satisfação

Alguns dos rankings que são feitos para tentar indicar quais são os melhores automóveis, centram-se na satisfação dos seus proprietários. Mas a satisfação é diferente de qualidade e o que agrada a um pode não agradar a outro. A palavra “qualidade” tem um conceito subjetivo que está relacionada com as perceções, necessidades e resultados desejados em cada indivíduo.

Assim, a sensação de satisfação depende da sua seleção inicial, se for mal feita não ficará satisfeito com o veículo que adquiriu. Por melhor que o veículo seja para quem o escolheu bem, para si nunca o será. Seja criterioso.

Outro fator que afeta a satisfação é a expectativa, se consultar algum desses estudos constará que na frente surgirão marcas consideradas menos fiáveis. Mas como geralmente são de baixo custo e não fazem publicidade a algo nada mais que o preço. Logo, as expectativas criadas são baixas, assim não são defraudadas. Isso resulta que a satisfação de quem compra permanece alta.

Imagine agora o contrário, que compra um carro topo de gama, sofisticado e dispendioso. Uma daquelas que publicita que “diz que faz e acontece”. Caso surja uma falha, por menor que seja, de certeza que não ficará satisfeito. Neste caso a expetativa era elevada e a sua satisfação ficou defraudada.

Enquanto a qualidade é, por definição, o grau de utilidade esperado ou adquirido de qualquer coisa. Verificável através da forma e dos elementos constitutivos do mesmo e pelo resultado do seu uso. Algo mensurável e comparável.

Diversos fatores, como a cultura, modelos mentais, tipo de produto ou serviço prestado, necessidades e expectativas influenciam diretamente a perceção da qualidade. A satisfação é igual à expectativa menos a realidade. Quanto mais alta a expetativa…

Foto | Pixabay