Como avaliar avarias na caixa de velocidades?

A embraiagem e a caixa de velocidades são os orgãos responsáveis pela transmissão de potência à rodas. Juntas contribuem para aproveitar ao máximo a energia do motor. Mas também avariam. Saiba avaliar algumas avarias deste órgãos apenas através das sensações que lhe transmitem na condução.

A embraiagem é o elemento que transmite a rotação do volante do motor às engrenagens da caixa de velocidades, que por sua vez a transfere para o diferencial através do eixo. A transmissão entre o volante, elemento que se encontra fixo à cambota, e a caixa de velocidades, dá-se através da pressão do disco de embraiagem – prato de pressão. A ligação ente o disco e o volante deve ser suficientemente forte de forma a não se registar a patinagem da embraiagem contra o volante do motor. Ao premir-se a embraiagem, alivia-se o contacto entre o disco de embraiagem e o volante, o que interrompe a passagem de energia para a caixa de velocidades.
O funcionamento da embraiagem tem dois momentos diferentes: Posição embraiada: o pedal da embraiagem não é pressionado, logo a embraiagem está encostada ao volante do motor permitindo a passagem de movimento; Posição desembraiada: o pedal da embraiagem é pressionado pelo condutor obrigando a embraiagem a desencostar do volante do motor. Interrompe-se deste modo a transmissão de movimento. Para cumprir eficazmente a sua função, a embraiagem tem de possuir boas características de: progressividade, para que a transmissão de movimento se dê suavemente devido a um ligeiro patinar do disco da embraiagem sobre o volante do motor; aderência, de modo a que quando se embraie (posição completamente encostada ao volante do motor) não patine; resistência às altas temperaturas para resistir ao calor gerado na fase de arranque (principalmente em declives acentuados);
A atuação da embraiagem pode ser feita através de sistemas mecânicos ou hidráulicos: no primeiro caso temos um conjunto de tirantes que ligam o pedal à alavanca atuadora da embraiagem. No segundo caso, ao pressionarmos o pedal, acionamos uma bomba que atua um mecanismo hidráulico responsável pelo desscoplagem do disco da embraiagem.

Quais são os órgãos que fazem parte da transmissão?

1 – Embraiagem – órgão que liga e desliga o motor da caixa de velocidades.
2 – Caixa de Velocidades – caixa que permite fazer variar a força e velocidade do veículo.
3 – Diferencial – órgão que recebe movimento da caixa de velocidades e o distribui pelos semi-eixos e rodas.
4 – Semi-Eixos – eixos (varões de aço) que recebem movimento do diferencial e entregam esse mesmo movimento (sem perda de velocidade) às rodas. Dizem-se semi-eixos porque são o correspondente a metade de um eixo completo.
5 – Uniões Homocinéticas – uniões da transmissão, isto é, órgãos que estão ligados nas pontas dos semi-eixos. Uma união está na ponta do semi-eixo que liga ao diferencial e a outra união está na ponta do semi-eixo que liga à roda. Estas uniões encarregam-se de transmitir o movimento sem perdas de energia (a rotação que recebem é igual à rotação que entregam). Dizem-se homocinéticas porque são de energia cinética (movimento) constante. Estas uniões estão cobertas por um fole que protege e não deixa perder para o exterior a massa lubrificante e não deixa entrar pó do exterior, evitando que gripem. Quando os foles protetores destas uniões se rompem, a poeira e a água existente nas estradas vai gradualmente permitindo que a massa lubrificante chegue a um ponto em que desaparece por completo. Quando assim acontece, as esferas metálicas contidas nestas uniões aquecem e gripam. Quase todos os automobilistas já passaram por esta experiência – é quando (na gíria) dizem que têm de substituir os foles da “transmissão”ou “as transmissões”.

Perda de capacidade de desembraiagem
Possíveis causas
Esta situação produz-se quando o veículo continua a andar ou continua “engatado” apesar de se ter carregado no pedal da embraiagem, mesmo a fundo. O defeito estará, quase de certeza, na desafinação deste orgão, aconselhar-se uma visita urgente à oficina.

Pedal frouxo
Possíveis causas
Quando se pisa o pedal de embraiagem e este não tem qualquer reação. A avaria pode estar na rutura do cabo que transmite a ação desse mesmo pedal. Este cabo merece revisão periódica devido ao uso intenso a que está sujeito. Deve ser trocado se se viram rasgos ou deformações na sua capa exterior ou se houver rutura nos filamentos da estrutura metálica.

A embraiagem patina
Possíveis causas
Esta anomalia verifica-se quando o motor está excessivamente acelerado e o carro não anda, ou a sua velocidade é demasiado lenta em relação à rotação do motor. O problema é que a embraiagem não está a conseguir transmitir toda a potência do motor por ter o disco gasto. Há que substitui-lo e rever os componentes.

Ruídos na transmissão
Possíveis causas
Falta de lubrificante (caixa ou diferenciais)
Junta ou juntas homocinéticas gastas ou engrenagens em mau estado.
Apoios de borracha degradados
Folgas várias
Semi-eixos, veios de transmissão ou diferenciais com folgas, gastos ou em mau estado.

Ruídos na caixa de velocidades
Possíveis causas
Falta de lubrificante da caixa. Atenção! O óleo da caixa de velocidades é diferente do óleo do motor e deve ser substituído ou atestado por um técnico. Engrenagens da caixa gastas ou partidas.
Chumaceiras de apoio dos veios gastas Falta de sincronismo dos eixos e engrenagens.

Não entra uma determinada mudança
Possíveis causas
A forquilha de seleção de velocidades está em mau estado.
Desajuste entre a alavanca da seleção de velocidades e as engrenagens.

A alavanca da caixa de velocidades salta de posição
Possíveis causasA forquilha de seleção de velocidades está gasta ou torcida
A mola da forquilha perdeu a força ou está inoperacional

O carro arranca aos solavancos
Possíveis causas
Os solavancos produzem-se por deformação do discos de fricção, que provavelmente sofreu um aquecimento excessivo. A causa pode estar também na desafinação ou distorção dos pontos de apoio do motor e caixa de velocidades, transmissão ou eixo traseiro. Se não for o caso, há que substituir o disco de fricção por um novo.

Conselhos úteis
1 – Utilize o pedal de embraiagem com suavidade, para evitar as passagens bruscas de caixa e o acoplamento brusco do disco.

2 – Quando tiver o carro parado num semáforo ou por outro motivo não mantenha o pé sobre o pedal da embraiagem. Assim prolongará a vida deste orgão.

3 – Faça revisões a cada 20 mil km ao cabo da embraiagem e à mola de recuperação do pedal.

4 – Mantenha as borrachas de proteção dos pedais em bom estado. Evitará que o pé escorregue do pedal, provocando incidentes na passagens de caixa, ou noutras situações mais delicadas como a travagem.

5 – Verifique com frequência o nível do lubrificante da caixa de velocidades. Ou, pelo menos, pela para verificar numa oficina.

6 – Pressione a fundo o pedal da embraiagem quando fizer passagens de caixa. A sincronização será mais perfeita e haverá menos desgaste do disco de embraiagem.

7 – Verifique todos os mecanismo que intervêm na suspensão do veículo. O seu mau funcionamento afeta os mecanismos de transmissão, pois estes últimos têm como missão transmitir o movimento e não estão preparados para sofrer os efeitos das irregularidades do piso.