Dias de férias: Como é a saída na Europa?

carros

Se, quando chega o verão em Portugal, assistimos à vinda de muitos emigrantes para as tão esperadas férias anuais, o mesmo também sucede no sentido inverso, com as famílias a carregar o carro e sair para passear. Neste artigo falamos do fenómeno das deslocações sazonais e como isso acontece pela Europa fora.

França e os dias de grandes saídas

carros

França é um dos países onde as deslocações ocorrem em maior número (muito também graças aos portugueses que regressam a Portugal). Com mais deslocações, mais problemas no trânsito, naturalmente. França bateu recordes negativos em termos de episódios de congestionamento, com engarrafamentos que quase chegaram a atingir os 1000km de comprimento, como o que se viveu em 2014, quando a operação regresso do final de julho coincidiu com a de saída de agosto.

Em França, estes movimentados dias são chamados de “les jours de grand departs” (dias de grandes saídas) ou também Sábados Negros, já que são deslocações que acontecem principalmente ao sábado, logo desde a madrugada. De facto, as autoridades francesas recomendam que se agende a saída para os sábados depois do meio dia ou até mesmo para os domingos.

O principal motivo pelo qual França sofre severamente com estas deslocações sazonais é a configuração da sua rede de estradas, de estilo radial, mas muito centralizada em torno da capital. Também influencia que muitos turistas de países como a Inglaterra ou Alemanha (que a Portugal chegam habitualmente de avião), acedam a França por estrada.

Assim, a rede à volta de Paris costuma absorver as deslocações do turistas britânicos, chegados a partir de Dover (até 400 mil só num fim-de-semana) e de holandeses e belgas que entram de carro no país. Também são geralmente difíceis os pontos ao largo da costa do Mediterrâneo, por onde circula a grande maioria de turistas italianos, franceses e alemães que se dirigem por estrada até Espanha, boa parte deles muçulmanos que se dirigem ao norte de África.

Os dias negros na Europa

carros

O resto dos países europeus, especialmente os do Centro da Europa, contam também com datas assinaladas onde as deslocações em direção aos destinos de férias disparam. Estes dias, tal como em França, são chamados de “Dias Negros”, devido à alta sinistralidade registada. Tendem a ser aos sábados, mas em Portugal já se verifica também o fenómeno do êxodo à sexta-feira a noite, depois de um dia de trabalho. Se antes era um acontecimento concentrado nas mudanças de quinzenas, hoje em dia já não é assim, estando igualmente distribuído por todos os fins-de-semana, uma vez que cada vez mais as férias são feitas à semana.

Em países como a Alemanha, em que as deslocações são especialmente nos últimos três fins-de-semana de julho e nos três primeiros de agosto, sem importar se é início de quinzena ou não. Por outro lado, muitos alemães procuram fugir aos deslocamentos de fim-de-semana, organizando as férias para começar durante os dias úteis.

Grande êxodo para o norte de África

carros

Por fim, há um fenómeno que tem origem em vários países da Europa e que afecta directamente Espanha, como ponto de passagem obrigatório. Trata-se do êxodo de milhões de europeus com origens em África, que a cada Verão regressam ao continente para se reencontrarem com os seus familiares.

Em concreto, são 2,8 milhões de viajantes vindos de países como a Bélgica, França e Itália, mais os que já residem em Espanha, que utilizam os portos espanhóis para aceder às suas terras de origem no norte de África, especialmente Marrocos e Argélia. Esta é a maior migração anual em toda a Europa, que atravessa vários países de norte a sul e de sul a norte no regresso

Para quem não escolhe portos franceses ou italianos, ir até ao sul da Península Ibérica pressupõe um percurso muito maior, mas são vários os factores que fazem com que façam esta escolha. Em primeiro lugar, os custos: passar por Espanha pode significar uma poupança de até 2700€ por família. Por outro lado, as facilidades que encontram no trajeto, no que toca às infraestruturas e até à sinalização em Árabe à medida que se aproximam dos portos. Além disso, também os agentes da autoridade, voluntários da proteção civil e cruz vermelha se dirigem a eles em francês, ajudando no trajeto.

Por isso, se está a planear as suas férias, lembre-se também dos restantes condutores e evite as horas/dias tendencialmente mais caóticos, para que se possa deslocar sem engarrafamentos e em segurança.

Imagens | iStock/Alexandragl1 |  Pxhere |   iStock/nico_65