Como evitar o aquaplaning de moto?

chuva moto
Tal como qualquer outro veículo, a moto também pode fazer aquaplaning. Um fenómeno temido que se produz quando as rodas não são capazes de evacuar a água que se acumula à sua frente, formando uma película lubrificante entre os pneus e o chão, causando a perda de controlo. Saiba como reagir, neste artigo.

Como consequência, acontece uma total falta de aderência, o que torna a trajetória imprevisível devido à falta de controlo da moto. Aqui ajudamo-lo a saber como reagir numa situação destas, bem como alguns conselhos para conduzir de forma mais segura de moto em piso molhado.

Velocidade e o estado dos pneus

chuva e moto

A velocidade e o estado dos pneus são dos fatores que mais fazem com que o aquaplaning aconteça, pois quando mais velocidade, menos tempo os pneus têm para evacuar a água que se acumula por baixo dos mesmos. Assim, quando os pneus não se encontram em bom estado, as probabilidades de sofrer o tão temido aquaplaning aumenta exponencialmente.
Com a chegada do outono, é normal que surjam as primeiras chuvas, pelo que deve ter os cinco sentidos postos na estrada e na condução da moto. Quando chove mais intensamente, há habitualmente mais água no chão, mais trânsito e mais probabilidade de acontecer aquaplaning.

Como se produz o aquaplaning?

chva e moto
Acontece quando passamos com o veículo, neste caso a moto, numa grande quantidade de água e os pneumáticos não são capazes de a expulsar.
As rodas perdem contacto com o chão e o poder de tração, ficando a sensação de flutuar. Além de reduzir a velocidade e manter a calma, é conveniente seguir algumas recomendações para estar mais seguro em piso

Dez conselhos a ter em conta:

  1. A utilização quer do acelerador, quer do travão deve ser o mais suave possível, sobretudo o travão da roda da frente. Se puder, use apenas o travão traseiro para manter a moto o mais estável possível em asfalto frio ou molhado.
  2. Mantenha os pneus em boas condições e com alguma profundidade no sulco, seguindo sempre as recomendações do fabricante. Cuidado com os pneus mais velhos, pois com mais desgaste têm menos capacidade de drenagem da água do asfalto. Também deve ter especial cuidado com as pressões, mantendo-as idênticas às recomendadas para os pneumáticos de seco.
  3. Antecipar as acumulações de água. Esteja atento à estrada, ao longe, sobretudo em condições em que o asfalto esteja mais escorregadio.
  4. Jamais siga mais depressa do que o recomendável por ter uma moto com ABS, porque evitará que as rodas se bloqueiem e que caia. Além disso, o ABS não fará com que a moto se detenha no mesmo espaço do que em piso seco ou em bom estado.
  5. Especial atenção em passadeiras, tampas ou grelhas de esgoto, grades de metal de obras públicas, pois podem tornar-se verdadeiros ringues de patinagem.
  6. A precaução deve ser sempre maior em dias de chuva, sobretudo no arranque, quando a aderência do pneu é mais crítica. Não se esqueça de que nas primeiras chuvas, a água se junta com a sujidade do solo (óleos e gorduras) e resulta numa mistura muito perigosa.
  7. Reduza a velocidade em autoestrada. O primeiro «anúncio» de que pode estar a entrar em aquaplaning pode ser uma sacudidela na roda dianteira ou um desvio na traseira.
  8. Mantenha-se visível em dias de chuva e água no chão. Quer seja em ultrapassagens, perto de camiões ou até mesmo em cidade, evite colisões por não ter sido visto com antecipação.
  9. Cuidado com as linhas brancas do alcatrão, pois quanto mais longe circular delas, mais seguro estará.
  10. Por último, encare esta situação com naturalidade, pois conduzir com tensão não é bom. Mantenha, sempre, atenção a tudo o que o rodeia.

 

Fotos | Lapahoto, Matias Garrido Hollstein, Terceraf800treffen

Fonte: Circulaseguro.com