Há 5 anos que não havia tantos mortos em acidentes de moto

sinistralidade com motociclo

Além disso, na última década, nunca houve tantos feridos graves e ligeiros como em 2017. Os números são da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANRS).

O relatório da ANSR revela uma realidade desoladora no que toca às vítimas de acidentes com motociclos nas estradas portuguesas. Só em 2017, morreram 76 pessoas em desastres de motociclos ou ciclomotores: o que corresponde praticamente ao dobro do que sucedeu no período homólogo do último ano. Em termos de feridos, contabilizaram-se 4851, dos quais 328 graves, face aos 275 de 2016. No que toca aos feridos ligeiros, foram quase mais mil em 2017 do que em 2016, passando de 3844 para 4523.

Só nos primeiros sete meses deste ano, os acidentes de moto atingiram – entre mortos e feridos graves ou ligeiros – perto de cinco mil pessoas (4927).

Mais mortos, menos acidentes

nistralidade com motociclo

Ainda assim, fazendo uma análise mais concreta, o número de acidentes tem vindo a diminuir. A menos de dois meses para o final de 2017 ainda não estão fechadas as contas da sinistralidade rodoviária, mas já se pode fazer uma comparação relativa a 2016. No ano passado, a PSP registou um total de 8277, enquanto que entre Janeiro e Setembro de 2017 os números fixaram-se nos 3748 acidentes, o que já denota uma diferença notória. Já em 2015, registaram-se 4326 acidentes.

De acordo com o presidente da Prevenção Rodoviária Portuguesa, José Miguel Trigoso, em declarações ao Jornal de Notícias, o número de vítimas é “um aumento brutal e preocupante, que pode ser resultado de um maior uso de veículos motorizados de duas rodas, mas é impossível dizer até que seja feita uma análise séria e está na altura de olhar para o fenómeno com atenção“.

Até 2020, a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária quer “estabelecer condições para a discriminação positiva” na compra de motos que tenham motores mais seguros. O alargamento de equipamentos de segurança obrigatórios, bem como mais fiscalização estão entre as medidas a implementar.