Moda das trotinetes elétricas pode causar problemas a peões

O facto de, uma vez usadas, as trotinetes elétricas serem largadas em qualquer local faz com que os peões, sobretudo idosos e invisuais, possam tropeçar.

Nas últimas semanas, a cidade de Lisboa ganhou um novo meio de transporte, as trotinetes elétricas. Mas embora sejam ecológicas, a sua portabilidade tem algumas desvantagens, estando a criar alguns constrangimentos à circulação de peões, dado que quem as utiliza acaba, muitas vezes, por deixá-las nos passeios, de forma desordenada, fazendo com que possam causar algum acidente. Uma recente reportagem do jornal Observador alertou para a situação.

Esta realidade também se verifica noutros locais e cidades em que estas trotinetes são utilizadas, como Espanha ou França, de tal forma que em França, “a ministra dos transportes anunciou medidas para proibir a circulação em passeios e em Barcelona as queixas dos moradores levaram à interdição destas trotinetes no centro da cidade”, aponta ainda o artigo do jornal Observador.

Pontos de recolha

No caso português, apesar de terem sido acordados com a Câmara de Lisboa pontos de recolha ou hotspots, onde as trotinetas ficam parqueadas, na prática o que se verifica é que estes veículos são deixados em qualquer lado. Invisuais e idosos podem facilmente tropeçar num destes objetos e cair.

Outra questão e dúvida que a utilização destes meios de transporte suscita prende-se com a utilização ou não do capacete. Este tipo de veículo alternativo é um velocípede, estando o seu condutor obrigado a usar capacete, segundo o artigo 112º do Código da Estrada.

Além do mais é sempre recomendável e desejável que quando alguém ande numa trotinete coloque o capacete de segurança. Um embate com a cabeça num passeio pode ser fatal, lembre-se disso.