Não “teatralize” o seu acidente

#fake #fakerunover #atropelamentofingido #falso #teatro #drama #cars101 #circulaseguro

Atropelamento simulado pelo peão

 

Em muitos vídeos que circulam na internet surgem pessoas a atirarem-se descaradamente sobre viaturas que circulam procurando o acidente. Após o embate com estas jogam-se para o chão fingindo-se magoados. Cada vez mais ocorrem este tipo de “encenações” na via pública.

Mas há também cada vez câmaras de filmar em “ação”, sendo este um motivo para não “teatralizar” o seu acidente. Caso seja gravada a ação não terá como negar a sua culpa. Além de correr o risco de se magoar a sério na encenação do acidente. Saiba mais aqui sobre este assunto.

Moda das câmaras

Em todo o mundo cada vez mais viaturas circulam com câmaras a bordo, que filmam o que acontece no exterior. A sua aceitação em tribunal pode ser questionada, mesmo que já tenha sido aceite em alguns casos, foi também rejeitada noutros. De qualquer forma pode ser um grande dissuasor dos maus comportamentos.

Existem imensos vídeos disponíveis com de casos de simulação de acidentes capturados por estes dispositivos. Basicamente, são diversos testemunhos de esquemas fraudulentos. Em todos eles o que é pretendido por quem provoca o acidente é ganhar algo em troca. Pode ser dinheiro de imediato, especialmente quando são feitos contra veículos de alta gama, ou então tem o intuito de obter reparações por parte das seguradoras.

Atropelamentos forçados

Por toda a Ásia as câmaras de filmar colocadas no interior dos veículos proliferam. Daqueles lados surgem algumas “pérolas”, como a filmagem que ilustra este artigo. Analisando o vídeo não existem dúvidas que o veículo já está parado e que a intenção do “atropelado” é tão somente de se jogar para cima deste. O condutor posteriormente alerta-o para a presença da câmara.

Os esquemas para conseguir ganhar dinheiro são diversos e a imaginação, entenda-se delirante, não tem limite. Como demonstra um dos casos mais conhecido duma mulher que foi filmada na berma da estrada em Klin, na Rússia, que subitamente salta para a estrada. Atirando-se depois para o chão, aquando dum ligeiro toque da viatura apanhada de surpresa.

Mas como é que os condutores apanhados conseguiriam provar sem o vídeo? Seria a palavra de cada um dos intervenientes contra a do outro. Na melhor das hipóteses chegariam a um impasse. Toda e qualquer culpa que fosse atribuída ao condutor seria injusta, mesmo que fosse de caráter parcial. Nos vídeos consegue-se vislumbrar a má fé dos indivíduos “atropelados”.

Atenção às variações dos esquemas fraudulentos

Bauernfängerei Road Sign Attention Scam Note As fraudes assumem diversas formas

As fraudes assumem diversas formas

Para que não sejam vítimas destes esquemas e “em nome da segurança”, muitos instalaram câmaras nos carros. Nas motos são fixos na própria moto ou nos capacetes. Só a perceção da presença das câmaras podem ser dissuasores da criminalidade. Mas não são registados exclusivamente atropelamentos. Existem vídeos que registam embates entre veículos, pancadas em equipamentos dispendiosos e até tentativas de assaltos.

No entanto a maioria dos vídeos que atingem o topo das visualizações são russos. O motivo do sucesso não é necessariamente bom, é mesmo devido à falta de noção dos condutores. Neste país ter uma câmara instalada no carro tornou-se uma moda. Na Rússia, as câmaras filmam de tudo. O trânsito é complicado, com muito tráfego, dando azo a muita confusão, incluindo situações que terminam em confrontos físicos.

Alguns condutores também fazem uso destes expedientes para obter vantagens. O mais comum é engrenar a marcha a ré e arrancar contra o veículo que está imediatamente atrás que é apanhado de surpresa e sem espaço, ou tempo, de reagir ocorre o embate. Noutros casos, travam de repente, e sem motivo, para provocar o embate por detrás.

A maioria dos golpistas não arrisca a vida, alguns até podemos considerar como “artistas”, de tantas vezes que já fizeram o “espetáculo”. Este equipamento de gravação vídeo serve para provar a inocência em incidentes no trânsito, mas não só. Os esquemas mais simplistas são com equipamentos já avariados, como telemóveis e portáteis. Os vigaristas embatem-nos contra retrovisores ou nos para-choques, alegando depois que se partiram por culpa do condutor do veículo. Todo o cuidado é pouco, esteja atento.

Fotos | El otro lado(4GIF’s.com), MaxPixel