Que temperatura deve atingir o óleo do motor para que funcione em condições?

A durabilidade do motor está intrinsecamente ligada ao bom estado do óleo do motor, mas a que temperatura terá de estar para cumprir com as suas funções de lubrificação?


O óleo do motor é um componente fundamental para garantir o bom funcionamento do motor e a sua durabilidade. Um óleo de má qualidade ou o não cumprimento dos prazo de substituição do “sangue” do motor, poderão colocar em risco a saúde de componentes muito sensíveis do mesmo, com o consequente risco de avaria.

Mas, para além da qualidade ou dos intervalos de manutenção, qual será a temperatura ótima do óleo de motor para cumprir com os objetivos de lubrificação? Qual a temperatura miníma para que realize uma lubrificação correta.

Um aspeto a ter em conta é o facto dos óleos modernos alcançarem o seu ponto ótimo de lubrificação muito depressa. Por exemplo, se considerarmos um óleo de qualidade intermédia e preço relativamente baixo com um índice de viscosidade 15W40 e base mineral, a partir dos 60º já se encontra em plenas faculdades do ponto de vista da lubrificação.

A temperatura do óleo de um automóvel tem uma excelente relação com a água e normalmente é superior a esta. Ou seja, o óleo aquece um pouco mais depressa que a água e mantém-se numa temperatura ligeiramente superior. Assim, o indicador da temperatura da água do motor é um bom indicador do estado de saúde do mesmo. Se estiver acima dos 60 graus, significa que o carro está quente.

Fator ainda mais importante é a velocidade a que aquece o motor. Os propulsores modernos alcançam a temperatura de regime terrivelmente rápido – em menos de 10 minutos – enquanto os motores antigos são mais preguiçosos. Neste últimos, é importante ter um pouco de paciência antes de acelerar a fundo ou chegar a altos regimes.

Foto: pixabay