Tecnologias que ajudam a evitar multas de velocidade

O excesso de velocidade é uma das infrações mais frequentes. Há, no entanto, tecnologia dentro do próprio automóvel que pode ser utilizada e que ajuda a evitar este tipo de contraordenação. Essa tecnologia, muitas vezes é ignorada pelos condutores.

Por muito que não se goste, os limites de velocidade existem e têm de ser cumpridos. O seu cumprimento, por vezes, nem seria difícil se utilizássemos alguma da tecnologia que os automóveis dispõem.

Head up display. O head up display projeta na parte interior do para-brisas do condutor diversas informações respeitantes à condução. Duas delas são a indicação da velocidade a que se está a seguir e a outra é a informação da velocidade máxima permitida para aquele local. Imagine que não sabe qual é o limite de velocidade num local. O headup display informa-o. Estar mais atento a essa sinalética ajudaria a que o pé direito fosse mais ligeiro.


Limitador de velocidade.
Os veículos que têm esta tecnologia permitem que o condutor programe uma velocidade acima da qual não pretende circular. O limitador de velocidade funciona de forma passiva, ao avisar o condutor de que se está a exceder na velocidade programada (por luzes ou sons, dependendo do modelo), e atua também de um modo ativo, já que impede, em situações normais, que essa velocidade seja ultrapassada. Deste modo, se o veículo rolar a uma velocidade inferior à velocidade memorizada, tudo se passa como se o veículo não tivesse limitador de velocidade. Logo que o veículo atinja a velocidade selecionada é emitida um aviso e qualquer ação no pedal de aceleração não terá qualquer efeito. Pode, em qualquer momento, ultrapassar a velocidade limitada; para isso, prima com força e a fundo o pedal do acelerador (para além do “ponto duro”). O sistema interpreta isso como uma ultrapassagem de emergência. Durante esse período de tempo, a velocidade limitada pisca no quadro de instrumentos e, consoante a versão do veículo, é acionado um sinal sonoro. Em seguida, quando retirar o pé do pedal do acelerador, a função limitador de velocidade é recuperada logo que o veículo atinja uma velocidade inferior à velocidade memorizada.


Cruise control.
Aqui, a programação “diz” ao carro que deverá circular sempre a uma determinada velocidade que tenha sido programada. O veículo, em função de se tratar de uma subida ou descida, assim, define a aceleração necessária para manter o automóvel na velocidade desejada, a chamada velocidade de cruzeiro. A velocidade do veículo só sofrerá alterações se o sistema for desligado ou se algum dos pedais for acionado.


Cruise control ativo.
Esta tecnologia, também apelidade de controlo de cruzeiro adaptativo, é uma evolução do cruise control tradicional, já que a velocidade de rolamento é mantida em função também de outra variável programável: a distância para os veículos que seguem à sua frente. Imaginemos que viajamos com uma velocidade programada para 120 km/h e uma distância de segurança de 150 metros. Quando o carro em que estamos se aproxima de outro veículo, a velocidade será reduzida de forma a manter sempre esta distância de segurança. Se tomar a via da esquerda para ultrapassar, como o carro “vê” que não tem mais nenhum veículo à frente, ele volta a acelerar para os 120 km/h programados. Se, subitamente, outro veículo aparecer à sua frente, ele reduz a velocidade, em respeito pela distância de segurança.

 

Cruise control preditivo. Este são os sistemas mais modernos de cruise control, representando uma ajuda ainda maior. Funciona com base numa câmara de vídeo colocada no cimo do para-brisas que lê os sinais de trânsito e, em coordenação com a informação obtida pelo sistema de navegação de GPS da viatura, reduz progressiva e atempadamente a velocidade para que o limite imposto pela lei para aquele local seja respeitado.