Estabilidade emocional na estrada

Condições emocionais

Segundo a legislação em vigor, um individuo que pretenda adquirir um titulo de condução terá, entre outras, de possuir uma condição emocional e psíquica considerada positiva de acordo com os parâmetros definidos em regulamento. Acontece que esta avaliação é efetuada à vista desarmada, sem exame que comprove esse estado de sanidade.

Se recurarmos um quarto de século, recordo-me de na ocasião haver uma restrição muito forte, no que diz respeito à emissão de um atestado médico a pessoa que apresentasse deficiência física ao nível da mobilidade. Conheço um caso em que a pessoa apenas conseguiu o seu atestado médico, após uma avaliação médica realizada por uma junta médica.

Desculpe, o senhor é “louco”

Como já foi abordado em artigos anteriores, quem desejar pertencer à comunidade detentora de um titulo que habilite a conduzir um automóvel ligeiro ou um motociclo, terá de apresentar uma condição emocional e psicológica capaz de socializar no meio rodoviário, com discernimento e tolerância. Discernimento para efetuar uma análise atempada e real do meio rodoviário envolvente, optando por soluções reativas atempadas e enquadradas. Tolerância para perceber que os eventuais erros agora dos outros, poderão ser os seus erros amanhã.

Assim, deve o condutor tolerante evitar o conflito e a agressividade gestual, verbal ou comportamental, em prol da segurança e bem estar rodoviário. Acontece que, se essa avaliação fosse efetuada adequadamente, muitos seriam os condutores atuais que jamais o seriam. Muitos seriam as avaliações médicas que esbarrariam num exame negativo do estado emocional de tantos e tantos condutores.

Muitas são as dúvidas que existem se seria possível as entidades competentes, os médicos que efetuam as avaliações médicas, condicionarem ou terem a coragem de condicionar todos os condutores que não apresentem uma estabilidade emocional na estrada positiva, mas sim desequilibrada e que promove a insegurança rodoviária.

Não haverá muitos médicos capazes de dizer a quem os procura que a sua estabilidade emocional não se enquadra com as normas estabelecidas por legislação, uma vez que sabem à partida que esse seu cliente irá procurar outro médico e associado a essa nega de atestar irá fazer com que baixe a procura de serviços.

Seria importante efetuarem-se essas avaliações, uma vez que na estrada circulam condutores que, aparentemente não apresentam qualquer distúrbio emocional, mas que têm comportamentos de risco elevado, como corridas de rua, acelerações agressivas em direção a outros condutores, agressividade verbal e gestual. Conflito gera conflito e se não existir estabilidade emocional, a escalada de violência é, por vezes, física.

Foto¦ ILMRT