O eterno problema das corridas ilegais. Como evitar?

competição

As chamadas corridas ilegais são um fenómeno que acontece em muitos locais do globo. A repercussão gerada por este tipo de comportamentos já famosos é grande, pois é uma prática que coloca em risco muitas vidas. Infelizmente não raro é o mês em que, no mundo, se saiba de notícias relacionadas com corridas ilegais.

Prevenir a sua existência não é tarefa fácil. A responsabilidade de as evitar não recai apenas nas autoridades. Trata-se de um problema de segurança rodoviária que envolve muitos agentes da sociedade, relacionados com a educação de modos de condução responsável. Mas que alternativas reais existem para acabar com as corridas ilegais?

O perfil associado à pessoa que faz corridas ilegais costuma ser um condutor jovem. Este dado contrasta com as últimas estatísticas de segurança rodoviária, nas quais os jovens têm vindo a ganhar responsabilidade ano após ano, por oposição ao estereótipo de condutor novato.

Jovens e inexperientes?

Portanto, podemos afirmar que as pseudo-competições ilegais não constituem uma prática maioritária. Ainda assim, estão relacionadas com alguns dos fatores de risco característicos dos condutores mais jovens e inexperientes, como seja possuir uma menor conceção de risco ou a pressão que o grupo exerce sobre eles.

As notícias dão conta que ao perfil do condutor jovem se junta o habitual costume de realizar as corridas ao fim-de-semana a noite, normalmente após concentrações em lugares comuns, como junto a estádios de futebol ou zonas industriais.

No coração deste perfil psicológico há uma «aficción» aos motores, conjugada com uma ambição desportiva que não tem lugar permitido na via pública. Portanto, o piloto ilegal refugia-se na clandestinidade, numa contradição constante: por um lado, necessita de um sonoro reconhecimento do que está a fazer, por outro, não pode dar muito nas vistas. Daqui a sua constante fuga, com alterações às localizações dos lugares das corridas.

Corridas ilegais, que medidas se podem tomar?

competição

As forças e corpos de segurança do estado levam anos de trabalho para erradicar as corridas ilegais. Isto deu lugar a uma especialização na matéria que impede a realização de muitas delas. Como saber disto antes da sua realização? A resposta está nas redes sociais e em páginas na internet. Ainda que, como indicámos, pareça contraditório, alguns condutores explicam os seus atos (e os atos que planeiam levar a cabo) através destas vias. As autoridades não só concentram atenções no dispositivo «in situ», como também na perseguição que estes delitos requerem, por forma de diligência de investigação virtual.

Vozes existem que advogam maior peso para as penalizações aos infratores, incluindo mais tempo de privação de liberdade, se for caso disso, para dissuadir estes condutores. Além disso, a criminologia rodoviária pode fazer bastante a este respeito. Há que ter em conta as características comuns dos condutores em corridas ilegais, que possuem um perfil sobre o qual a polícia, fiscais e autoridades judiciais podem trabalhar em conjunto para prevenir.

E facilitar outras alternativas?

Outra medida muito diferente, seria oferecer uma alternativa legal e razoável para diminuir a prática das corridas ilegais. Disso seria exemplo, contar com espaços habilitados da autorização das autoridades, uma organização mínima e seguro de responsabilidade civil.

Atualmente este tipo de práticas tem um custo elevado, tendo em conta os preços de acesso a um circuito fechado, à oferta de seguros. Tratar-se-ia de arranjar uma opção real que dissuada em parte as más práticas ao volante.

Educar e consciencializar

A consciencialização e educação desde a infância são necessárias em todos os aspetos da segurança rodoviária. No caso das corridas ilegais, aponta-se como fator fundamental para a prevenção a longo prazo.

É muito interessante entender os motivos sociológicos do fenómeno. Como é que o gosto pelos motores pode converter-se numa conduta arriscada e ilegal? Conhecer este processo é a chave para uma solução definitivo, mais do que as medidas imediatas que possamos encontrar na atualidade.

 

Fonte: CirculaSeguro.com

Imagens | iStock/FelixRenaud e iStock/DarthArt