Segurança Rodoviária na cidade da Figueira da Foz (1)

Segurança Rodoviária na cidade da Figueira da Foz

Esta semana os meus artigos vão ser dedicados à segurança rodoviária na cidade da Figueira da Foz, por sugestão de alguns dos leitores do Circulaseguro. Vão ser três artigos de opinião onde vamos chamar aqui algumas situações que servirão, não apenas para evidencia do próprio local, mas também de outros que poderão existir, idênticos.

Quem conhece a cidade e nela circula, terá reparado que nos últimos tempos a Figueira da Foz tem sido alvo de algumas intervenções de manutenção do asfalto, o que só por si, não bastará para aumentar a segurança rodoviária local e a qualidade de circulação. Terão de haver mais e melhores intervenções, se realmente se pretende melhorar.

O perigo da Rua Bombeiros Voluntários

A Rua Bombeiros Voluntários ganhou este nome devido ao facto de em anos já idos a corporação dos bombeiros voluntários da cidade ter a sua cede na referida rua. Hoje isso já não acontece, no entanto a rua mantêm o mesmo nome.

Esta é uma rua de um sentido apenas, ascendente e liga o Largo Luís de Camões ao Largo Pereira dos Santos. Pelo meio existem três centros escolares; duas creches, que provocam a determinadas horas do dia elevado número de tráfego de veículos e uma escola secundária, que durante todo o dia proporciona um elevado fluxo de trânsito de peões.

Acontece que, ainda que seja de um único sentido, a Rua Bombeiros Voluntários tem características que não caminham de mão dada com a segurança rodoviária nem de peões, nem de condutores. Esta via de circulação não se encontra provida de um passeio de circulação, em segurança, de peões, tendo numa das bermas, na da esquerda, em toda a sua extensão um aglomerado de pedra ordenada, mal, que não permite a circulação de peões em condições minimas.

Segurança rodoviária na cidade da Figueira da Foz

A Rua Bombeiros Voluntários está inserida na zona “velha da cidade”. Deste modo, muitas são as habitações naquela rua que albergam pessoas de idade avançada e de difícil locomoção. Se associarmos esta realidade ao facto das saídas serem feitas directamente para a faixa de rodagem, o perigo de atropelamento é elevado.

Mesmo não existindo um passeio ou uma berma com capacidade de garantir essa segurança aos peões, a segurança poderia ser aumentada se ao longo da via não existissem dezenas de automóveis estacionados, com a conivência de quem tem a obrigação legal de não o permitir; a autarquia figueirense.

Esse estacionamento de viaturas faz com que o espaço de circulação seja ainda menor, obrigando os automóveis que por ali circulam a terem de procurar a berma do lado esquerdo. Essa procura é bastante perigosa e susceptível acidente, uma vez que em muitos troços da via  o asfalto encontra-se bastante deteriorado, fazendo com que automóveis mais baixos venham mesmo a bater no asfalto.

Para que a rua se torne segura para a circulação de todos aqueles que a utilizam, será necessário que a autarquia da cidade da Figueira da Foz não apenas proíba o estacionamento em toda a sua extensão, mas que, essencialmente, a provenha de passeios capazes de acolher em condições de segurança os peões que ali transitam, deixando apenas uma via de circulação com dois metros e meio de largura para os veículos.

Foto¦ Google Maps