Sim: a via de aceleração serve para acelelar

Via de aceleração na auto-estrada

Há um ponto no que toca à circulação, que ficou gravado em nossas memórias na mais terna infância e quando andávamos a estudar para tirar carta de condução, muitas vezes é esquecido quando nos fazemos à estrada. Apenas necessita de dar uma olhada no trânsito em qualquer dia, a qualquer hora da manhã ou da tarde, para ver até que ponto isto é verdade.

Por isso, hoje vamos relembrar qual é a forma mais segura de realizar a incorporação numa via rápida ( seja ela estrada, autoestrada, via para automóveis ou uma simples rodovia convencional, com o layout típico de um traçado de alta capacidade), pelo que o mais importante é entender por que essa é a maneira correta de fazer a incorporação.

Para começar, devemos ter em mente que numa via rápida o movimento é realizado em alta velocidade (lógico, caso contrário, estaríamos a referir-nos a uma via lenta). Por essa razão, quem pretende entrar numa via rápida deve fazê-lo quando não representam nenhum um perigo para si ou para os veículos já circulam nela. Dito de outra forma, aqueles que querem ter acesso à via rápida não devem irromper ou interromper, mas sim incorporam-se nessa via.

Via de aceleração na auto-estrada

O primeiro passo é observar, o quanto antes, o tráfego existente na via principal. A antecipação será um ponto-chave na hora de avaliar este ponto. Quanto mais cedo observarmos, mais cedo temos as informações necessárias para avaliar de que forma está o tráfego, para que assim possamos decidir com conhecimento de causa, isto é, com certeza.

O que se deve observar? Pura e simplesmente, devemos entender que o tráfego não é caótico por acaso (bem, às vezes o tráfego encaixa perfeitamente nesta definição, mas geralmente isso não acontece), mas sim é organizado por fluxos: atrás de um carro vem outro, depois outro , depois outro e no final desta fila de de carros, existe uma lacuna até à próxima série de veículos.

Procurar a lacuna deve ser nosso objectivo, quando estamos no início da pista de aceleração com o intermitente já preparado e a alertar para o nosso propósito de incorporação. Nunca devemos partir para a via de aceleração, se não temos certeza do que fazer. Assim, no início desta via deve observar o tráfego, procurar uma lacuna entre as filas de veículos e seguir atrás do último veículo da fila que escolhemos.

No entanto, nem todas as vias de aceleração são quilométricas. Existem aquelas com mais do que uma via de aceleração. Nestes casos, devemos sempre ter em conta que a nossa prioridade é utilizar a via para acelerar. Assim sendo, se à primeira vista não é claro se podemos avançar ou não, devemos parar no início da via, para escolher o momento certo para entrar na via principal.

A partir daí, é uma questão de aumentar a velocidade do nosso veículo numa marcha suficientemente curta para que o carro nos dê impulso necessário (a retenção desejado sem a necessidade de soltar o acelerador). Qual será então o objectivo? Colocar-nos à altura do veículo ao qual seguimos atrás, antes de chegar ao final da via de aceleração e passar para a via principal.

Via de aceleração na auto-estrada

Aqui estão duas possibilidades:

Caso 1. O condutor do veículo ao qual se colocou atrás não apresenta muitos problemas psicológicos e entende que a estrada é de todos. Bom. Esse condutor vai facilitar a manobra, tal como ordena o Código da Estrada. Se o condutor faz com que seu veículo perda aceleração suavemente (o que veremos no espelho retrovisor , pois o carro segue trás) , acelerará aproveitando o impulso que nos dá a mudança selecionada e passará à frente dele. Se o condutor prefere ajudar acelerando, ele vai criar uma lacuna que depois irá usar para se incorporar na via.

Caso 2. O condutor do veículo ao qual segui tem problemas de auto- estima e acredita que o mundo lhe deve alguma coisa. Bom. Tire partido da sua fraqueza. Este homem vai querer passar a todo custo quando reparar que se compara a ele em termos de velocidade. Simplesmente tem que largar o acelerador, a sua marcha irá fazer com que o motor retenha o veículo, aproveitando assim para passar por trás do nosso amigo, que com raiva carrega a fundo no acelerador.

O que jamais deve acontecer é que, na nossa disputa absurda para encontrar uma lacuna, acabemos na via de aceleração. Porque, se nós temos que parar bem no final, quando tivermos que sair teremos dificuldades. E o nosso carro, com travagem e aceleração, também. Um bom uso dos elementos de travagem, suspensão e rodas é essencial para prolongar a vida do nosso veículo e para garantir a segurança, tanto dos ocupantes como dos outros utentes da estrada.

Se é verdade que uma imagem vale mais que mil palavras, talvez esta mini-animação torne o assunto mais claro do que apenas o texto que acaba aqui:

Via de acelerão