Bicicleta elétrica: cuidados a ter

velocípede

 A bicicleta elétrica ou a e-bike constitui um dos modos de transporte de duas rodas com maior projeção de crescimento em muitos países. E Portugal não é exceção. Esta nova forma de ciclismo motorizado promete acarretar múltiplos benefícios para quem a use nas suas deslocações urbanas e para as próprias cidades (e também novas experiências a quem explore a prática desportiva).

Por ser uma novidade tecnológica, existe ainda muito desconhecimento sobre o que é uma bicicleta elétrica e se nos será conveniente pagar o seu valor, mais elevado do que o resto das bicicletas. Antes de optar por uma eléctrica ou por uma bicicleta convencional, é conveniente informar-se sobre diferentes aspetos, entre eles, as diferenças relativas à segurança.

O que é uma bicicleta elétrica?

A diferença entre uma bicicleta elétrica e uma convencional está no motor integrado. As bicicletas elétricas contam com um sistema de pedelecs de assistência ao pedal, que pode ir em qualquer um dos cubos das rodas ou sobre o mesmo eixo de suporte inferior. O sistema alimenta-se de energia elétrica através de uma bateria recarregável que adicional algum peso. Além disso, existe outro dispositivo, o controlador, que acaba por dar a sua identidade às e-bikes.

Uma bicicleta elétrica não é uma bicicleta motorizada, já não nos impulsiona a pedido, apenas assiste. O motor só se ativa ao pedalar. Este é o primeiro ponto e o mais importante que devemos ter em conta do ponto de vista da segurança.

Além disso, a normativa a nível europeu exige que as bicicletas elétricas tenham 250W de potência e que a assistência se desative ao alcançar os 25km/h. Todo o motor que chegue acima destes valores teria que ser matriculado.

Aprender a andar de bicicleta… elétrica

Esta definição básica do que é uma bicicleta elétrica ou e-bike sugere que ao começar a utilizá-la pela primeira vez exige alguma aprendizagem. Não deixa de ser simples, mas é necessário. É muito importante familiarizar-se com a resposta que o motor tem neste tipo de bicicletas.

velocípede

Por isso, é aconselhável que o primeiro contacto com estes veículos seja num recinto fechado ou numa zona fora do trânsito. Reconhecer o comportamento do motor da bicicleta elétrica não vai demorar mais do que dez minutos, mas é fundamental fazê-lo, pois difere de qualquer outra sensação que tenhamos sentido aos comandos de outro veículo motorizado.

Mais, o peso e a massa das bicicletas elétrica é muito superior. A jovem indústria das e-bike conseguiu avanços muito significativos com esta assinatura nos últimos anos. Ainda assim, essa diferença de peso faz com que a condução varie muito ligeiramente em comparação com uma bicicleta convencional.

Manobrabilidade de una bicicleta elétrica

A principal vantagem dessa massa maior é uma condução mais estável. Ao contar com um centro de gravidade mais baixo, oferece uma maior sensação de segurança, viajando de melhor forma.

Isto em si mesmo pode trazer mais segurança, mas há que ver que é relativo. Sobretudo porque, como dissemos, pode ser que esteja habituado à condução de uma bicicleta convencional. Por isso, é preciso um processo para ajustar a nossa condução, conhecer um novo veículo com uma diferente relação de pesos, que notaremos a virar ou a parar (pois a bicicleta vai oferecer alguma resistência).

De igual modo, a condução de uma bicicleta elétrica exige maior grau de previsibilidade do que as outras. Quando pedalamos, o motor pode não dar uma resposta imediata, mas sim progressiva ou dispersa ao longo do tempo. Isto pode levar a que notemos um puxão ou uma aceleração repentina. É importante prever esta situação nas primeiras utilizações.

Para suavizar a resposta do sistema, as bicicletas elétricas costumam vir equipadas com diferentes modos de condução. Permitem que controlemos fatores como a autonomia, quando exercício queremos fazer e contar com diferentes tipos de aceleração em função do modo de condução.

O que é preciso ter em conta ao comprar una bicicleta elétrica?

velocípede

Há alavancas de aceleração manual para bicicletas elétricas, mas é preciso saber que estas são proibidas, uma vez que é um requisito legal das e-bike que a propulsão seja obtida apenas através dos pedais.

Por isso, quando adquirir uma bicicleta elétrica, é muito importante que consulte se a sua homologação está de acordo com a Diretiva Europeia 2002/24/CE. Não é uma questão trivial. Na atualidade, e devido à juventude deste mercado, existem muitas marcas de bicicletas elétricas, várias importadas de mercados como o chinês. E nem todas, infelizmente, oferecem as mesmas garantias de segurança.

Desse modo, é essencial que se informe bem sobre qual o tipo de bicicleta que está a comprar antes de o fazer. Não é o mesmo adaptar um motor a uma bicicleta convencional ou ter um sistema de fábrica. Assim, há que prestar atenção aos componentes da bicicleta.

Desfrutar da bicicleta elétrica

velocípede

Há que ter em conta que também há diferenças na manutenção. Preste atenção à bateria e não descure as condições gerais de funcionamento para evitar incidentes. No caso de algumas bicicletas elétricas, arranjar um pneu não é tão fácil como seria noutra bicicleta.

Apesar do preço, há muita gente que já as considera como o complemento ou substituto para as suas deslocações diárias. Parte da poupança que acarreta, vai a par das vantagens para o meio ambiente, ao reduzir a contaminação e densidade do trânsito. Não é em vão. Muitos serviços partilha de bicicleta já as incluem.

Imagens |Abigail Keenan  iStock/Studio4pic, iStock/Madina Asileva e Abigail Keenan , Microsiervos Geek Crew

Fonte: CirculaSeguro.com