Circulação em bicicleta vai constar do currículo escolar

Aprender a andar de bicicleta será matéria que fará parte da normal formação de um aluno, pretende instituir o atual Governo.

Na Estratégia Nacional para a Mobilidade Ativa (ENMA), o Governo defende que as crianças aprendam a andar de bicicleta, em ambiente escolar, num processo de formação faseado ao longo de vários anos de escolaridade.

As aulas seriam em parques fechados (no 1º ciclo), passando mais tarde para o espaço público (nos 2º, 3º ciclos e ensino secundário).

Eis o que refere a ENMA:

“Sendo uma competência básica com múltiplas vantagens para o indivíduo e para a sociedade, todos os alunos terão a oportunidade de aprender a pedalar, num processo de formação faseado ao longo dos vários níveis de escolaridade, em perímetro delimitado e seguro (escola – 1º ciclo), mas também em espaço público (rodovia – 2º ciclo, 3º ciclo e secundário)”.

Opção pela mobilidade ativa

Neste plano, o Executivo afirma que “em pouco mais de três décadas, despromoveram-se de forma inaceitável atividades como brincar na rua ou ir de bicicleta para a escola. Na verdade, a opção pela mobilidade ativa confere mais autonomia, responsabilidade e perspetivas de exploração do mundo em redor às crianças e jovens que, no futuro, serão condutores mais conscientes, e permite poupanças significativas face ao transporte diário dos alunos em automóvel”.

velocípede

Noutra parte desta ENMA: “Uma sociedade que garante ao indivíduo liberdade para escolher andar a pé ou de bicicleta nas suas deslocações quotidianas evidencia um espaço público mais democrático, que a todos serve condignamente e de igual forma, incluindo grupos mais sensíveis a condições de circulação desconfortáveis ou inseguras, como crianças ou idosos. Adicionalmente, andar a pé e usar a bicicleta contribui para a humanização das cidades e promove o exercício da cidadania, a participação na vida pública e a inclusão social, reduzindo desigualdades, aumentando o sentido comunitário e o bem-estar individual e coletivo, sendo para isso indispensável que o espaço urbano garanta condições de segurança e conforto”.

Em estudo está a possibilidade do seguro escolar passar a cobrir as deslocações de bicicleta entre casa e a escola.