Portugal está repleto de obstáculos a quem tem dificuldade de locomoção

Portugal está repleto de obstáculos a quem tem dificuldade de locomoção

Fui de visita a Albergaria-a-Velha, num destes dias, e reparei que parte da cidade está toda arranjada, com lugares de circulação bem demarcados, de estacionamento devidamente sinalizados e enquadrados a quem se destinam.

No entanto, verifiquei também que tal, acontece sim, mas em zonas muito específicas e em parte do centro da localidade. Noutros locais, muito próximos do quadro fantástico do centro, existem espaços que não se enquadram com a livre circulação de pessoas.

Obstáculos à circulação de idosos e cadeiras de rodas

Contíguo à antiga estação de caminhos de ferro, existe uma rua, que dá acesso ao mercado municipal, lugares habitualmente utilizados por pessoas idosas que se deslocam de povoações próximas e que demonstram alguma dificuldade de locomoção, onde a circulação de peões está dificultada, uma vez que o passeio é estreito e os automóveis estacionados invadem parte dele.

Deste modo, quem pretender por ali caminhar, vê-se limitado à sua liberdade de circulação, uma vez que, para além dessa invasão da frente dos automóveis, também existe o problema dos candeeiros de iluminação mas colocados e o pavimento em condições inadequadas para a circulação de pessoas idosas ou com dificuldade de locomoção.

Desta feita, numa cidade onde a aposta na qualidade de circulação está patente no centro da cidade e em locais limítrofes, exige-se que sejam eliminados os obstáculos à livre circulação de pessoas com dificuldade de locomoção, seja ela por motivos de saúde, seja ela por motivos de avançada idade.