UE quer limitar emissões de CO2 dos camiões

CO2

A luta contra as alterações climáticas coloca agora pressão sobre os transportes pesados de mercadorias. A Comissão Europeia definiu limites de CO2 para os camiões aos quais os fabricantes terão de cumprir.

A Comissão Europeia apresentou um conjunto de medidas do novo Pacote de Mobilidade que introduzem as primeiras normas de CO2 provocadas pelos camiões com registo na União Europeia. A indicação de Bruxelas vai no sentido de que, no ano 2025, as emissões médias de dióxido de carbono dos novos camiões terão de ser 15% inferiores às registadas em 2019. Para 2030, a Comissão Europeia estabalece uma meta de diminuição de 30%, pelo menos, por comparação ao ano 2019.

Os responsáveis europeus entendem que é um objetivo alinhado com os compromissos assumidos pela União Europeia no Acordo ambiental de Paris.

A indústria automóvel, representada na ACEA (Associação de Construtores Europeus de Automóveis), é, contudo, da opinião de que as metas definidas são muito rígidas, não tendo em conta a especificidade do mercado e do transporte de pesados.

Para a ACEA, o facto de haver uma redução de 15% para 2025 seguida de outra diminuição de 15% até 2030 vai contra a evolução realista da tecnologia.

Para além das metas ao nível do CO2, os camiões deverão evoluir no sentido de apresentarem um design mais aerodinâmico que jogue a favor do corte de emissões e contribua para a diminuição dos custos com os combustíveis.

Relativamente a este tema, refira-se que no final de março, a Presidência búlgara da União Europeia chegou a um acordo informal com o Parlamento Europeu a respeito de um regulamento relativo à vigilância e comunicação das emissões de CO2 e do consumo de combustível dos veículos pesados novos. Este regulamento enquadra-se no esforço global da UE para reduzir as emissões de CO2 e constitui um passo mais no sentido da economia hipocarbónica competitiva.

Apresentado aos embaixadores da UE para aprovação, ao Parlamento Europeu, para votação, o texto seguirá então para o Conselho, para adoção final. Entrará em vigor 20 dias após a sua publicação no Jornal Oficial.

O novo sistema de vigilância e comunicação servirá de base à definição e aplicação das normas aplicáveis às emissões de CO2 e ao consumo de combustível e será precursor de outra proposta legislativa que a Comissão tenciona apresentar ainda este ano.

Recorde-se que estão já em vigor as regras aplicáveis aos veículos de passageiros e aos veículos comerciais ligeiros. O regulamento sobre o qual se chegou agora a um acordo provisório visa os camiões e os autocarros novos. As emissões dos veículos pesados matriculados na UE passarão agora a ser medidas e vigiadas de acordo com regras harmonizadas. Este regulamento permitirá que seja criado um registo central da UE em que as autoridades e os fabricantes registarão dados referentes às emissões de CO2 e ao desempenho em termos de consumo de combustível. Por uma questão de transparência e para facilitar a comparação entre diferentes modelos de veículos, estes dados serão publicados.

A razão de ser das novas normas

Em junho de 2007, o Conselho (Ambiente) pediu que fosse reforçada a estratégia de redução das emissões de CO2 dos veículos rodoviários, incluindo os pesados. Em consequência disso, a Comissão Europeia apresentou uma proposta destinada a criar um sistema obrigatório a nível da UE para a vigilância e comunicação das emissões de CO2 e do consumo de combustível de veículos pesados novos.

Em dezembro de 2017, os embaixadores da UE chegaram a acordo quanto ao mandato para as negociações com o Parlamento Europeu.

A Presidência búlgara deu início às negociações com o Parlamento Europeu a 27 de fevereiro e chegou a acordo a 26 de março.

De acordo com a Agência Europeia do Ambiente, as emissões de gases com efeito de estufa provenientes dos transportes rodoviários estavam, em 2015, 19% acima dos níveis de 1990. Em 2015, os transportes rodoviários eram responsáveis por quase 73% do total das emissões de gases com efeito de estufa provenientes dos transportes, incluindo a aviação e os transportes marítimos internacionais. Destas emissões, 44,5 % eram produzidas pelos veículos ligeiros de passageiros e 18,8% provinham dos veículos pesados.

CO2

Siim Kiisler, Ministro do Ambiente da República da Estónia, lembra queos nossos camiões e autocarros são grandes poluentes. Estabelecer normas para as emissões de CO2 desses veículos pesados é fundamental para reduzir a pegada de carbono do setor dos transportes da UE. A decisão hoje tomada, ao assegurar uma vigilância e comunicação eficazes, constitui um importante passo para a consecução desse nosso objetivo. O acordo a que rapidamente se chegou mereceu o inteiro apoio de todos os Estados-Membros e esperamos que o Conselho e o Parlamento possam dar início às negociações no princípio do próximo ano”.

A fim de alcançar os objetivos do quadro de ação relativo ao clima, a UE tenciona reduzir, até 2030, as emissões de gases com efeito de estufa provenientes dos transportes para um nível cerca de 20% inferior ao de 2008.

Fotos: multivu.com