A travagem de emergência autónoma no mundo real

Collision mitigation braking

A travagem de emergência autónoma, em inglês Autonomous Emergency Braking (AEB), é um sistema que cada vez são mais comum nos carros de passageiros modernos, e permitem aos modelos que o possuem reduzir as colisões traseiras em 38 por cento, de acordo com uma nova pesquisa com base em dados do mundo real.

A travagem de emergência autónoma é uma das melhores opções para evitar acidentes a baixa velocidade, normalmente é uma função que trabalha a velocidades de até 30 km/h ou 50 km/h, depende das marcas e modelos. Estudos anteriores previram benefícios esperados significativas de tecnologia AEB para as colisões traseiras a baixa velocidade, mas este estudo combinou dados do mundo real de cinco países europeus e da Austrália para examinar o efeito do sistema em acidentes reais.

Comissão Europeia reconhece validade das novas tecnologias

Dr Anders Lie, da Administração dos Transportes da Suécia, comentou: “É evidente que, a este nível de eficácia, baixa velocidade AEB é potencialmente uma importante tecnologia de segurança activa e a montagem deste sistema difundido através da frota de veículos devem ser encorajados no interesse da melhoria da segurança do veículo.”

Michiel van Ratingen Dr, secretário-geral da Euro NCAP, disse: “Estes resultados suportam fortemente a nossa decisão de tornar a tecnologia AEB um dos principais discriminadores positivos na classificação de segurança de veículos novos.”

Um grande estudo para a Comissão Europeia, publicado em abril, identificou uma série de novas tecnologias de segurança do veículo como adequados para futura instalação obrigatória como parte de uma revisão da legislação da UE para aumento da segurança dos veículos em circulação nas estradas da comunidade.

O relatório, apurou que determinadas tecnologias, nomeadamente, a assistência inteligente da velocidade (ISA), a travagem de emergência autónoma (AEB) e o sistemas de aviso de falta de cinto de segurança nos assentos de passageiros, como “viável em termos de tecnologia imprescindíveis”, estando já disponíveis no mercado e oferecendo uma relação positiva custo-benefício.

 

Foto | TRW