Como evitar que um cibercriminoso lhe roube o controlo do seu carro

A digitalização e automatização dos diferentes sistemas do veículo facilitaram o acesso dos ciberdelinquentes aos automóveis. Assim, fomos à procura de alguns conselhos e dicas que o podem ajudar a evitar que o seu carro sofra um ciberataque.

Se elaborássemos uma lista com os principais medos e receios dos condutores, a verdade é que a perda do controlo do veículo seria um dos primeiros pontos de destaque. Existem muitas formas de perder o controlo do veículo, sendo a maioria delas por acidente. Mas, existe uma forma seguramente mais aterradora, é que alguém nos retire esse controlo.
A digitalização e a automatização fizeram que seja cada vez mais fácil e confortável conduzir os nossos carros. Este processo requer um intercâmbio constantes de informação entre o veículo e tudo o que o rodeia. Isto deixa uma porta aberta para que os cibercriminosos astutos consigam entrar no nosso carro.

Significa isto que devemos renunciar ao automóveis digitalizados? A resposta é não. Devemos sim, tomar uma série de precauções, as mesmas que tomamos, por exemplo, com os nossos computadores, para os proteger e desfrutar de todas as comodidades. Aqui ficam algumas recomendações para não ser vítima deste crime.

Dicas e conselhos

1 – Tome consciência de que o seu automóvel é vulnerável. Nenhum automóvel está imune a ser manipulado. Dependendo do grau de digitalização do nosso automóvel, este vai apresentar mais ou menos interesse de ataque para o delinquente. A única forma de reduzir o risco, é perceber que existem partes que podem ser vulneráveis e por isso devemos manter-nos alerta sobre o seu comportamento.

2 – Mantenha o software atualizado. A maior parte das vezes as atualizações são criadas para tapar brechas de cibersegurança muito sérias, sobretudo em sistemas que são atrativos para os cibercriminosos. Assegure-se que mantém o software do seu automóvel atualizado com as versões que são proporcionadas pelo construtor.

3 – Limpe os dispositivos USB antes de os ligar ao carro. Os dispositivos USB são os cavalos de tróia mais comuns na hora de instalar software maligno no nossos dispositivos. Assim, é indispensável passar o anti-vírus por qualquer dispositivo UBS que tenhamo planeado ligar ao nosso carro.

4 – Desligue a função Wi-fi e Bluetooth quando não a estás a utilizar. Lembre-se que todas as ligações são portas de entrada e de saída. Se tivermos o nosso carro atualizado com as versões mais recentes de software, não vale a pena correr riscos desnecessário. Desligue o Wi-fi e o Bluetooth quando não estiver a utilizá-los. Tão pouco se esqueça de controlar e de escolher a quem oferece o serviço Wi-fi do seu carro.

5 – O smartphone está a assumir cada vez mais funções que antes eram realizadas por outros dispositivos, como, por exemplo, abrir a porta do carro. Mas, por comodidade não devemos baixar a guarda. Verifique sempre que programas e aplcações descarrega.

6 – Vigie as suas chaves. Referimo-nos que tente evitar a todo o custo que não copiem a frequência. É um passo básico e extremamente importante, especialmente no caso das chaves mais modernas, que permite controlar uma multiplicidade de funções do veículo.

7 – Proteja o comando do seu carro quando não está a ser usado. Este passo é uma evolução do anterior. Afinal só há uma maneira de garantir que não tomem controlo do comando do seu carro: colocando-o num local em que o cibercriminosos não possam aceder ao sinal. Hoje em dia vendem-se bolsas especializadas que cumpre essa função e evita que alguém duplique a nossa chave por acidente.

8 – Cuidado com o liga à tomada OBD2. Se não sabe o que é a OBD2 tem um grande problema. Trata-se de uma porta de comunicações acessível no veículo que permite diagnosticar, programar ou codificar os múltiplos dispositivos eletrócnicos do veículo. É importante saber onde se encontra e o que lá está ligado. Existem companhias de seguros que oferecem dispostovos que se conectam à tomada OBD2 para estudar os seus hábitos de condução e assim adaptar os preços dos seguros.

Fonte: PJ