Via mal construída ou projecto mal elaborado?

 

Vias mal contruídas ou projectos mal elaborados?

Já faz muitos anos que aconteceu o que a foto relata. A Ponte Edgar Cardoso, na Figueira da Foz, caia parcialmente, pouco tempo depois de ter sido construída e inaugurada. Felizmente sem vitimas a lamentar provenientes de tal situação, foi durante muito tempo que o trânsito ficou condicionado.

Pouco importa, agora à distância, de quem foi a responsabilidade de tal ocorrência; se de um projecto mal elaborado ou se uma falha na construção, advinda de um desvio ao projecto inicial. Agora, o que realmente interessa, é não voltar a repetir o que aconteceu naquela ponte e que poderia ter tido consequências devastadoras.

Quando uma obra foge ao projecto

Nos dias de hoje não se tem ouvido falar sobre acidentes em pontes ou viadutos de construção recente que tenham colapsado. No entanto, é fácil percebermos que a construção de diversas vias rodoviárias estão muito aquém do projecto das mesmas, pois as deficiências que apresentam são enormes.

Se o projecto de uma via de circulação, seja ela urbana ou não urbana é efectuado para que o trânsito se realize de forma a facilitar a fluidez, garantindo desta forma a segurança rodoviária, não é aceitável que o asfalto fique deformado, criando assim perigo eminente para que a utiliza.

Se tal não acontecer, a taxa de sinistralidade rodoviária tende a aumentar, como se tem verificado ultimamente, assim como as suas consequências. Deste modo, quando se projecta uma via, esse projecto deve ser elaborado por uma equipa competente, assim como a construção deve ser entregue a empresas credíveis e com permanente fiscalização sobre os materiais que estão a ser utilizados.

Só desta forma poderemos garantir vias de circulação rodoviária seguras.

Foto¦ Amigos da Figueira