Como está de fusíveis?

 

Os fusíveis são utilizados para proteger circuitos elétricos e derretem sempre que um determinado limite de corrente é ultrapassado, para assim proteger outros componentes bem mais dispendiosos. Trata-se de uma solução muito eficaz contra os curto-circuitos, evitando também que a sobrecarga provoque incêndios.

Todos os automóveis têm fusíveis. E porque um fusível se pode fundir a qualquer momento, é importante conhecer a sua localização e função, assim como deve saber como proceder à sua substituição. Desta forma podem evitar-se os dissabores de uma avaria na iluminação a meio da noite ou da imobilização dos limpa para-brisas em plena tempestade. Os fusíveis dos automóveis estão normalmente arrumados em “caixas”: uma situada debaixo do capot, que congrega os fusíveis de órgãos mais complexos, e outra mais pequena posicionada, normalmente, junto da coluna de direção ou dentro do tablier. Em qualquer dos casos é muito importante que o utilizador do veículo se informe devidamente sobre o assunto através do manual de instruções da viatura. Substituir um fusível é uma tarefa muito simples. Desde que se tenha um substituto em bom estado e desde que saiba encontrar o avariado, a tarefa é… básica. Cada fusível desempenha uma ou mais funções. Para saber quais são, deverá consultar o esquema de fusíveis, associar o tipo de avaria ao fusível que desempenha essa função e utilizar uma pinça, fornecida com a caixa para fazer a substituição.
1 – Saiba encontrar o avariado
Se deu conta de que algo elétrico deixou de funcionar no seu carro, comece por procurar a caixa de fusíveis. Se tiver dúvida em relação ao local onde esta se encontra, consulte o livro de instruções.
Do lado de dentro da tampa da caixa de fusíveis existe um esquema (na foto) que explica para que serve cada fusível. Este esquema mostra a posição, o número e a função do respetivo fusível.

2 – Utilize a pinça de extração
Existem fusíveis de dimensões e amperagens distintas. Os mais pequenos do tipo mini podem ser mais difíceis de retirar por estarem muito junto ou demasiado presos. Todas as caixas têm ao lado uma pequena pinça plástica para tirar o fusível certo sem qualquer dificuldade. Se esta não existe ou se já se perdeu, pode sempre retirar o fusível com um pequeno alicate. Em último caso, utilize uma pequena chave de fendas. A caixa costuma ter fusíveis de substituição num dos cantos.

3 – Será só do contacto?
Em muitos casos, a avaria nem se deve ao fusível estar “estragado”, mas apenas ao mau contacto deste devido a sujidade, humidade ou mesmo ferrugem. Isto acontece com maior frequência nos veículos mais antigos. Faça uma limpeza dos contactos para evitar que o problema se repita. Em caso de avaria, também pode tentar retirar e encaixar os fusíveis várias vezes. Geralmente resulta e a avaria fica sanada.

4 – Atenção à amperagem
Quando sacar o fusível obsoleto e o tiver na sua mão, está na hora de selecionar o substituto. Veja no topo do fusível qual a sua amperagem (valor está em amperes, ex: 10, 15, 20) e utilize sempre um igual. No caso de não ter um igual, utilize um mais potente, mas nunca acima de cinco amperes de diferença. Se colocar um mais fraco, este não vai durar muito. ATENÇÃO! Este raciocínio só
é válido para os circuitos normais de iluminação, por exemplo, em que a corrente varia entre os 10 e os 25 amperes. Se o circuito for eletrónico (protegido, por exemplo, por um fusível de 1,5 A), este valor tem de ser rigorosamente respeitado.

5 – Stock reposto
Assim que solucionar o problema, não se esqueça de repor os stock de reserva de fusíveis. Nunca se sabe se não lhe vai acontecer o mesmo nos dias seguintes. Todavia, se voltar a acontecer, o melhor será visitar uma oficina, porque algo deve estar errado no circuito elétrico do seu carro.

6 – Evite a prata
Já não é comum, mas ainda há quem o faça: envolver um fusível fundido com um pedaço de papel de prata e seguir viagem. Este opção é mais simples quando os fusíveis são do tipo cilindro, logo mais antigos. Trata-se de uma solução altamente desaconselhável.

Quais os vários tipos de fusíveis

Os modelos de fusíveis mais frequentes são do tipo “pastilha” em plástico, um fusível especialmente concebido para a indústria automóvel e que se tornou num tipo de fusível padrão. Dentro desta categoria de fusíveis existem os ATO (entre 1 e 40 amperes), os Mini e os Maxi (20 a 80 amperes). Ainda existem os fusíveis Mega e os cilíndricos. Em todos os casos, o elementos elétrico é facilmente visível. Nos mais comuns, fusíveis de plástico parecidos com uma pequena tomada, o filamento é visível através da transparência do plástico. Em todos os tipos de fusível existe uma inscrição com a amperagem do mesmo.

As cores e os fusíveis

Os fusíveis auto estão codificados com cores para uma mais fácil identificação. A tabela
seguinte indica-nos a correspondência entre algumas cores e as respetivas amperagens:

AMPERES                                       COR                                  AMPERES                                   COR
5 A                                                         Castanho claro              30 A                                              Verde
10 A                                                       Vermelho                        40 A                                              Laranja
15 A                                                       Azul                                   60 A                                              Preto
20 A                                                      Amarelo                            80 A                                             Branco transparente