Como prolongar a vida útil dos pneus? – Conselhos Michelin

Pode o leitor pensar que abordamos várias vezes o mesmo tema. Pois saiba que é propositado. Principalmente quando se trata de pneus, nunca é demais relembrar a sua importância. Em parceria com a Michelin, abordamos alguns cuidados que deve ter para prolongar a vida útil dos pneus do seu carro.

Por serem o único ponto que une o veículo ao solo, os pneus são os quatro elementos que mais garantem a segurança na estrada e, por isso, merecem a sua máxima atenção. De pouco lhe vai servir ter um grande número de sistemas de segurança, como o ABS, o ESP, ou a travagem de emergência automática, se os seus pneus estiverem em más condições.

Verificar as pressões e ajustá-las em função da carga

É imprescindível realizar verificações periódicas das pressões dos pneus. Todos os carros trazem a informação sobre as pressões corretas sugeridas pelo fabricante, assim como a pressão que deve ser colocada quando viaja sem carga ou, pelo contrário, com muita carga. Alguns dos lugares frequentes onde pode encontrar essa informação são a tampa do depósito de combustível ou na carroçaria, ficando visível ao abrir alguma das portas. A saber: se a pressão for menor do que desejada, os pneus vão desgastar prematuramente as faces laterais, enquanto que se a pressão for mais elevada do que o pretendido, o desgaste será no centro.

Calibrar os pneus depois de os mudar

Perante irregularidades bruscas ou algum golpe que deforme a jante, os pneus podem perder a calibragem. Estas deformações podem provocar que a certa velocidade, entre os 90 e os 130km/h, surja uma trepidação no volante. Mais do que o incómodo e a perda de estabilidade que advêm dessas vibrações, ao realizarmos uma travagem de emergência, os pneus vão “saltitar”, pois haverá partes da roda desgastadas prematuramente e outras que praticamente não se apoiam no alcatrão, pelo que não contribuem para a aderência. É importante que no momento de trocar os pneus faça a calibragem das rodas para prevenir isto.

Alinhamento da direção

Ao contrário da calibragem, o alinhamento da direção não tem de ser feito de cada vez que muda os pneus, mas sempre que note que o carro se desvia para um dos lados ou, então, se houver um desgaste irregular dos pneus.
As irregularidades do asfalto, as lombas e os ressaltos, bater em lancis ou circular por caminhos são algumas dos motivos que podem fazer com que a direção perca o seu correto alinhamento. A direção fica fora do lugar e os pneus não assentam no piso como deveriam, por isso é recomendado verificar habitualmente se todos os pneus têm um desgaste regular.

Conduza de forma suave e relaxada

A par das pressões e do correto alinhamento da direção, outra das coisas que mais influencia a duração dos pneus é a forma como conduz. Acelerações bruscas, travagens fortes, curvar de forma desportiva ou atingir velocidades elevadas, mesmo em linha reta, fará com que a vida dos seus pneus reduza consideravelmente. Como a maioria das coisas na vida, quando mais se força, menos duram. Por isso, se quiser alargar a sua duração, nada como uma condução eficiente, suave e relaxada, aumentando e reduzindo a velocidade do carro com tranquilidade e sem imitar condutores de ralis.

Evitar os lancis

É frequente roçar ou subir lancis, quer seja sem querer ou para evitar realizar mais uma manobra, mas o facto é que isso pode beliscar os pneus e/ou deformá-los, aumentando as possibilidades de sofrer um rebentamento. Além disso, subir lancis pode desajustar o alinhamento e até deformar a jante, pelo que a trepidação produzida por esse desequilíbrio sofrido na jante está assegurada.

Os caminhos são mais agressivos do que parecem

Conduzir habitualmente por caminhos também é motivo de redução da vida útil dos pneus. As constantes irregularidades do piso, as pedras, a baixa aderência e a lama são más companhias para a durabilidade e o correto funcionamento dos pneus. Se deixar, a lama atacará a borracha, pelo que deve fazer finca-pé na eliminação completa de todo o barro instalado nos pneus e nos elementos da suspensão e da direção ao lavar o seu carro.

Utilizar as correntes só quando for necessário e a baixa velocidade

Agora que estamos em época de baixas temperaturas e nevões, é habitual que em zonas de montanha seja necessário recorrer às correntes para uma deslocação em segurança. Tenha em conta que as correntes só devem ser usadas em condições muito adversas, com vários centímetros de neve, pois ao contrário causará danos nos pneus, sem necessidade. Se puder prescindir das correntes, tire-as, se não puder, circule a velocidades reduzidas para não provocar deformações nas rodas.

Faça-lhes uma revisão frequente

Como último conselho, a revisão periódica ajudará a encontrar possíveis defeitos nos pneus, que podem ser reparados imediatamente e, portanto, não desgastará a roda prematuramente por causa de uma pequena irregularidade, além de aumentar não só a sua segurança, como também a de todos os que consigo partilham a estrada.