Será o airbag assim tão seguro?

Airbag

Já aqui falamos de como o airbag funciona e da sua importância, é inegável que foi uma das melhores invenções do mundo automóvel e muito evoluiu a sua tecnologia desde a sua primeira aparição nos anos 50 quando o alemão Walter Linderer e o americano John Hedrik registaram a primeira patente do que viria a ser o airbag que conhecemos hoje. Curiosamente o primeiro carro a ter airbags foi um Chevrolet em 1973 mas apenas para os carros que fossem vendidos para o governo dos Estado Unidos da América.

Mas falemos agora da parte da segurança do airbag, devo esclarecer já uma coisa, que apesar do airbag poder não ser 100% seguro ter um carro sem este sistema de segurança passiva não é melhor e apesar de ao mesmo tempo ser um sistema inovador que já ajudou a salvar inúmeras vidas, não podemos achar que a sua presença dispensa o uso de cinto de segurança.

Um estudo realizado alerta os cardiologistas e outros profissionais de saúde sobre “lesões cardíacas ocultas” causadas pela abertura do airbag frontal de automóveis em caso de colisão. Apesar dos airbags salvarem vidas e diminuírem significativamente os ferimentos, também podem causar lesões e morte de origem cardíaca e pulmonar, principalmente e mais gravemente se o condutor ou passageiro não estiverem a usar o cinto de segurança, de acordo com o estudo publicado no início deste ano no Canadian Journal of Cardiology.

O autor deste estudo, Rami Khouzam, da universidade do Tennessee, nos EUA, afirma que “lesões cardíacas graves podem acontecer após a abertura do airbag, mesmo quando não há lesões visíveis no momento da apresentação no hospital”.

Os principais tipos de lesões cardiovasculares verificados no estudo foram: disseção da artéria aorta, lesão das válvulas cardíacas, rutura do átrio direito, enfarte do miocárdio, hemopericárdio (acumulação de sangue na membrana em torno do coração) e tamponamento cardíaco (ocorre quando o músculo do coração (miocárdio) sofre uma pequena rutura em toda sua espessura).

airbag

Khouzam concluiu que “é necessário sentar-se a uma distância menor do que 25 centímetros de onde está localizado um airbag aumenta o risco de lesões, além disso, é necessário utilizar o cinto de segurança”.

Os danos ao sistema cardíaco não são os únicos que podem ocorrer com a “explosão do airbag, embora sejam os mais comuns, muitos outros danos podem ser causados como abrasão da pele, dano à audição (devido ao barulho da expansão), lesões na cabeça, dano aos olhos em pessoas que utilizam óculos e quebra dos ossos do nariz, dedos, mãos e braços, mas penso que é um pequeno preço a pagar tendo em conta os benefícios que este sistema oferece como o próprio ato de salvar uma vida.

Em conclusão este é o sistema passivo que atualmente mais vidas salva, sim também tem os seus lados negativos mas tudo tem aspetos negativos, provavelmente daqui a alguns anos seja descoberto algo que seja mais seguro, o importante a reter é que sem cinto de segurança ter airbag ou não é irrelevante por isso o meu concelho é, tal como Khouzam disse, sentar-se a mais de 25 centímetros do airbag para impedir que ocorram lesões causadas pela bolsa de ar numa colisão.