O que são e para que servem as lombas redutoras de velocidade

Proliferam pelas estradas do país e são cada vez mais altas, por vezes ao ponto de terem de ser reconstruídas. Ou seja, gasta-se dinheiro na colocação, depois gasta-se dinheiro na “destruição”, e depois mais algum na construção de outras lombas (das finais) com as dimensões certas para não danificarem os veículos que as atravessam.

Designa-se por Lomba Redutora de Velocidade (LRV) uma secção elevada da faixa de rodagem construída em toda a largura desta, com carácter não temporário, dimensionada com o objectivo de causar desconforto crescente nos ocupantes de um veículo, durante o seu atravessamento e com o aumento da velocidade; tal efeito não pode, porém, ser significativo para velocidades de valor igual ou inferior ao recomendado, e, nestes casos, não pode provocar qualquer dano nos veículos.
A construção de vias públicas com o objectivo primordial de maximizar o escoamento de grandes volumes de tráfego e o conforto dos ocupantes dos veículos, aliada aos progressos da industria automóvel no mesmo sentido, têm sido, nas últimas décadas, uma das causas do aumento do número e da gravidade dos acidentes entre veículos e peões.
Para minimizar estes efeitos indesejáveis foram criadas medidas passivas destinadas a “acalmar” o trânsito, isto é, a induzir os condutores a praticarem em certas zonas (por ex. junto dos acessos a escolas) velocidades moderadas, reduzindo deste modo as consequências de eventuais colisões entre veículos motorizados e utentes da via. A instalação e manutenção de Lombas Redutoras de Velocidade (LRV) nas várias estradas insere-se nesse grupo de soluções do qual fazem também parte, por exemplo, as rotundas, as diminuições de largura da faixa de rodagem ou os sinais luminosos acionados pela velocidade do veículo.
A redução da velocidade na aproximação da LRV deve ser garantida pelas características próprias da via ou pela utilização de outra medida de acalmia de tráfego. Nestas condições as LRV são apontadas como dispositivos adequados e comprovadamente eficazes. Para garantir a sua correcta e adequada utilização beneficiando da experiência adquirida, ao longo de mais uma década, em países da União Europeia, interessa estabelecer um conjunto de critérios e regras a seguir no projecto, instalação e manutenção das LRV.
Qualquer instalação de uma LRV terá de ser igualmente reconhecível, requerendo da parte do condutor o mesmo comportamento, independentemente da sua localização.

Localização das LRV

A escolha do local de implantação das LRV deve garantir que a velocidade dos veículos na aproximação seja compatível com a sua travessia em condições de segurança. Para esse efeito, as LRV devem precedidas, a determinadas distâncias, de dispositivos, de secções ou trechos de via com certas caraterísticas, que tenham efeitos de serenidade no trânsito.
Para garantir a redução de velocidade numa zona da via deverá ser aplicada uma série de lombas devendo a distância entre duas lombas consecutivas ser compreendida entre 40 e 150 m. Após passagem numa LRV regista-se que os condutores tendem a aumentar a velocidade dos seus veículos razão pela qual a distância entre LRV consecutivas deve determinar as velocidades praticadas.
Mas, apesar de controlarem o trânsito e de o regulamentarem, as lombas, e dependendo do tamanho e da velocidade com que são atravessadas, podem criar algumas avarias ao seu veículos. Por isso, recomendamos o atravessamento de lombas com cuidados redobrados. É preciso perceber à distância a sua dimensão, e a partir daí abordá-las com o devido cuidado.

Recordamos o que pode acontecer se passar nas lombas muito depressa:

1. Pneus. Embora as lombas sejam arredondadas, passar por elas muito depressa pode provocar o mesmo dano que subir um passeio, ou seja, cortes e deformações.
2. Amortecedores. A vida útil da suspensão ronda os 60.000 quilómetros, mas se viver numa cidade com muitas lombas e não respeitar os limites de velocidade, a cifra pode reduzir-se para metade!
3. Chassis. Uma lomba após a outra acabam por dar lugar ao aparecimento de fendas e problemas no motor. Desta forma, o seu carro envelhece mais depressa.
4. Apoios do motor. Embora não parece os apoios do motor e eventualmente o próprio motor são muito afetados pelas lombas e buracos, porque o choque violente e vibração forte e repentina provocam desgaste acelerado podendo levar a partir os apoios e eventualmente estragar gravemente o motor.

Fonte: ANSR, Circula Seguro