Artigos na etiqueta condução defensiva

Resoluções de ano novo

3197569410_a78ea542cc_b

Após mais um início de ano, em que a nossa vontade é fazer tudo bem, que no ano novo é que é, mas as nossas resoluções de ano novo muitas vezes não passam de promessas, promessas e mais promessas. Aproveitamos a mudança de ano, aquele ato simbólico do rasgar da folha no calendário, para prometer a nós mesmos que finalmente vamos perder peso, especialmente depois dos excessos do natal, dizemos que vamos voltar ao ginásio, que vamos arrumar o escritório, que queremos aprender outra língua ou que vamos pagar uma dívida antiga.

Também prometemos ser melhores pessoas, melhores… melhores em tudo! Mas e a sua segurança, lembrou-se de a melhorar? Ou de sequer tentar ganhar novas competências no manuseio do veículo com que habitualmente circula? Faça dela uma das suas resoluções de ano novo.
Ler mais…

Prepare-se para as férias e viaje em segurança

Se vai de férias, prepare-se

As férias chegaram e com elas as deslocações para diversos locais do país, nomeadamente para zonas costeiras em busca de belos areais, sol e água do mar. As praias continuam a ser os locais turísticos mais procurados por quem procura minutos de repouso.

Se para alguns essa deslocação não passa de meros quilómetros insignificantes, para outros, esses quilómetros são estradas de asfalto sem fim, desespero de crianças, calor imenso e filas de automóveis intermináveis e alguma falta de segurança.

Ler mais…

Farto de ouvir falar de condução defensiva?

AngryDriver

Conduzir um veículo é relativamente fácil, o que realmente é difícil é conduzir com sabedoria, ou como se lê em tudo o que é literatura sobre condução, de forma defensiva. Devido ao insistir nesta frase ela encontra-se algo desgastada, pelo que muita gente acredita ser algo desnecessário de insistir, pois já todos sabem que o devem fazer e que tendo essa atitude ao volante reduz as probabilidades de se envolverem em acidentes.

Se acha que ler pode ser uma forma de relembrar algo que sabe mas pode estar esquecido, faça-o, não parta do princípio que um tema muito falado deixa de fazer sentido ou ter lugar na comunicação, se assim fosse as empresas não faziam anúncios publicitários, afinal você já havia falado delas pelo menos uma vez.
Ler mais…