Conheça as tecnologias que melhoram a qualidade de vida a bordo do seu carro

tecto abrir

A indústria automóvel está atenta a todos os pormenores que afetam a vida a bordo de um carro, com o intuito de a tornar mais agradável e cómoda e assim conseguir criar um argumento de venda no momento de testar um novo modelo e aliciar o comprador para a aquisição.

Tecnologia militar é utilizada pela Ford

O som propaga-se preferencialmente pelo ar pela vibração das moléculas da atmosfera, para evitar a intromissão de ruídos e sons indesejáveis a bordo de um veículo os fabricantes recorrem a materiais isolantes, mas se existir fugas de ar em qualquer ponto do habitáculo esse isolamento fica comprometido afectando negativamente a qualidade de vida a bordo.

Os responsáveis pelo desenvolvimento da acústica criaram um sistema que injetam ar quente no habitáculo e fazem imagens térmicas para ver por onde o ar escapa, e assim, podem testar vários métodos de contenção para correcção, quer por meio de alteração do design das peças ou por utilização de diferentes materiais de isolamento.

A tecnologia usada é de imagem térmica, similar à usada pela polícia na perseguição a criminosos, a Ford é uma das marcas que passou a utilizar este dispositivo para encontrar e eliminar fugas nos veículos. As imagens térmicas são feitas com câmaras que registram o calor no interior do habitáculo, capturando a radiação na forma de imagens infravermelhas, similares às da polícia. No testes da Ford, os derrames aparecem como pontos de calor quando o ar aquecido escapa do habitáculo.

Antes da utilização desta tecnologia, os engenheiros injetavam fumo no habitáculo para observar os derrames, em conjunto com o auxílio de estetoscópios especiais para ouvir a passagem de ar. Agora, a imagem térmica permite resultados mais consistentes e rápidos para agilizar o tempo de desenvolvimento de novos modelos.

À partida existem locais que são mais óbvios de derrames como por exemplo os tetos de abrir, toda a área das janelas, as borrachas das portas, a porta da bagageira e as entradas de ar no habitáculo, mas com esta tecnologia deixa de ser por análise empírica e passam a ser decisões apoiadas em dados mais facilmente mensuráveis e comparáveis.

Equipamento da NASA é empregue na higienização de veículos

A tecnologia de Ionização Radiante Catalítica (RCI), foi desenvolvida pela NASA (National Aeronautics and Space Administration) e é destinada à manutenção da qualidade do ar interior da Estação Espacial Internacional (ISS). Por meio de um reator foto catalítico, o RCI produz oxidantes naturais baseados em hidrogênio e oxigênio, em especial o peróxido de hidrogénio, como purificantes, que provocam reduções de bactérias, vírus e fungos em até 99% e odores, sem a utilização de produtos químicos. A variante aquosa, com uma concentração de cerca de 3% de peróxido de hidrogênio, é a nossa conhecida água oxigenada.

Segundo o distribuidor do equipamento no Brasil, o sistema de higienização para veículos automóveis em geral estará disponível, nas redes autorizadas de concessionárias de marcas brasileiras e importadas. O prestador de serviço vai receber o equipamento, por contrato de comodato, e a aplicação de uma sessão de higienização em carros de passageiros deverá custar um pouco menos do equivalente a 50 euros.

Segundo afirmações de um responsável pela empresa de distribuição “o processo de descontaminação leva somente 40 minutos e tanto o sistema de ar condicionado quanto o interior do veículo são higienizados levando conforto, saúde e bem-estar para seus proprietários e ocupantes”.

Audi testa sistema que interage com semáforos inteligentes

semaforos

O sistema de integração com semáforos inteligentes, ainda esta em fase de testes na Europa, precisamente na Alemanha, país de origem da Audi. Com este dispositivo de mobilidade inteligente, denominado (Safe and Intelligent Mobility),o condutor poderá ganhar tempo durante seus percursos. Na fase inicial do projeto, 20 conjuntos de semáforos nas proximidades de Frankfurt foram adaptados para que a frota de teste pudesse se comunicar com eles.

O sistema funciona recolhendo as informações dos semáforos, que são transmitidas para uma central, o veículo faz o cálculo da sua rota, e após isso, exibe imagens com um gráfico de dados ao automobilista, indicando a velocidade que o automóvel deve circular para alcançar o próximo semáforo verde.

Fotos | Paul Jerry e Christian Schirner