GM anuncia carro autónomo para 2019

carro autónomo gm

Sem volante nem pedais. Se há poucos anos parecia ficção, hoje a GM já está em condições de anunciar como será o seu carro autónomo, o Cruise AV, pronto em 2019. A revelação foi feita no CES, o Salão de Las Vegas e o Circula Seguro conta-lhe tudo.


Janeiro costuma ser altura de novidades tecnológicas para a indústria automóvel, graças em grande parte ao Salão de Las Vegas. Nesse sentido, a cada edição é a condução autónoma que tem vindo a ser a protagonista.

E se até há pouco tempo parecia ficção, agora está cada vez mais perto de ser uma realidade, um carro 100% autónomo. Em causa o Cruise AV, sem volante nem pedais, que a empresa General Motors quer começar a produzir em 2019.

Certo é que o fabricante norte-americano não foi o primeiro a decidir criar um modelo destes. A Ford, a BMW, a Tesla ou a Volvo já anunciaram que também terão o seu próprio veículo autónomo, mas apontaram 2021 como o ano de estreia. Por isso, a surpresa neste anúncio já para o próximo ano.

Carro autónomo: Pela segurança

Nunca vimos o carro autónomo tão próximo de nós. No relatório apresentado pela General Motors, insiste-se numa série de benefícios quase utópicos muito aguardados: erradicar as colisões entre veículos fruto do erro humano (que são a causa de 94% dos acidentes que implicam mortes ou lesões).

Do mesmo modo, o fabricante promove a sua nova tecnologia pensando na total acessibilidade. Quer dizer, qualquer um poderia conduzir, perdão, viajar, no seu Cruise AV, independentemente da idade, condições e habilidades físicas. Com um carro autónomo com as características anunciadas, as limitações seriam cada vez menos, tal e qual como os engarrafamentos, ao sistematizar-se o controlo do trânsito e materializando, em parte, as concepções de «smart city» ou de cidade ideal para a segurança.

Cruise AV, baseado no Chevrolet Bolt

Quando a General Motors iniciou a comercialização do seu carro 100% eléctrico, o Chevrolet Bolt, adiantou logo que essa seria plataforma que serviria de rampa de lançamento para testar as novas tecnologias ainda por chegar. O Cruise AV é a confirmação disso mesmo. Baseia-se no Bolt, recebendo ainda uma série de vinte e um sensores de pequeno e grande alcance, quatro radares, dezasseis câmaras e cinco sensores LiDAR.

Estes são os dispositivos que permitirão que o modelo não tenha nenhum tipo de controlo manual e que a sua automatização seja plena. Para o operar é preciso utilizar comandos de voz, ou fazê-lo através de uma aplicação para smartphone. Com as estas credenciais, tudo parece indicar que será a concretização do nível 5 da condução autónoma, na qual o veículo se encarrega de tudo o que está relacionado com a condução e os humanos limitam-se a ser meros passageiros.

E as leis?

carro autónomo

Claro que isto depende, em larga escala, das próprias autoridades e, para começar, vai depender das dos Estados Unidos da América. É lá que irão comercializar este modelo. Neste país já se sentem preparados para acelerar a introdução do carro autónomo. No entanto, como é lógico, não existe ainda uma lei específica que permita comercializar e deixar transitar este tipo de veículos. Ainda que se esteja a trabalhar nisso e já se tenham realizado testes específicos com carros autónomos, a sua introdução nas estradas supõe muito mais coisas. Para conseguir essas tão desejadas condições de segurança que trará o carro autónomo, é necessário criar legislação para o efeito. Nesse sentido, a GM pediu isenção ou uma autorização especial para poder comercializar o modelo. Isto porque a data anunciada de 2019 também apanhou de surpresa os legisladores.

Outras novidades do CES 2018

Ainda que a apresentação de um carro autónomo sem volante nem pedais tenha levado a maior parte do protagonismo, certo é que a grande maioria de fabricantes automóveis apresentou no CES 2018 novidades muito importantes para a condução autónoma. Por exemplo, a Nissan desvendou o seu sistema brain-to-vehicle (B2V), um tipo de tecnologia capaz de interpretar sinais cerebrais para ativar a assistência programada do veículo e prevenir acidentes.

Da mesma maneira, foram anunciadas alianças entre fornecedores de tecnologia de carros autónomos e fabricantes, como a Aurora e a Hyundai e a Volkswagen, com quem planeiam aplicar os benefícios da condução autónoma no desenvolvimento de frotas de veículos partilhados.

Estes são apenas alguns exemplos da situação do sector automóvel no que toca à condução autónoma. Tudo parece indicar que durante a próxima década vamos viver uma verdadeira revolução da mobilidade e que essa transição está prestes a iniciar o seu caminho.

Fonte: Circulaseguro.com
Imagens | General Motors