O que é a energia cinética?

O conceito de energia cinética surge com alguma frequência em debates sobre segurança rodoviária ao tentar justificar o facto da velocidade excessiva agravar os efeitos negativos de um acidente. É um conceito importante pelo facto da energia cinética depender de forma intrínseca da velocidade: ou seja, mover-se ao dobro da velocidade, implica quadriplicar a energia.


Mas, como outros tantos conceitos que têm origem na ciência, é possível que a utilização mundana da terminação não venha acompanhada pela compreensão do significado do mesmo. Sobretudo, porque existe uma utilização quase mistica da palavra energia, cujo significado na realidade é muito mais simples.

O que é então a energia?

A energia cinética é, acima de tudo, uma forma de energa. Assim, parece boa ideia começar por falar sobre o significado do conceito energia. POis bem, a energia é uma magnitue física abstrata que mede a capacidade de um corpo produzir mudanças no estado de outros corpos. O que é então a magnitude física? Significa que é algo que tem um valor numérico e que se mede em unidades concretas. No sistema internacional de unidades, a energia é medida em Jules, ainda que de uma forma geral estejamos mais habituados a medi-la em calorias. Uma caloria são 4,184 J. Quando falamos de dietas, muitas vezes quando pronunciamos a palavra caloria, deveria ser kilocaloria, ou seja mil calorias ou 4,184 jules.
Ser abstrata significa que a energia é algo que não se pode ver ou tocar. Quanto muito poderemos ver ou notar os seus efeitos. É algo que não existe. É um conceito que inventámos porque nos permite entender determinadas coisas e fazer cálculos. Mas não tem existência física propriamente dita. Assim, a energia é sempre referida como um objeto físico real. Por exemplo, um automóvel de uma tonelada a 100 km/h tem uma energia cinética de 385 mil jules. Posso ver e tocar no carro, mas não em todos esses jules. É uma medida abstrata que nos dá uma ideia da capacidade do veículo. A realidade é qualquer coisa de muito subtil, e há “coisas” que não se podem ver nem tocar, mas que também têm energia (por exemplo, um campo magnético).
Por fim, o valor concreto da energia de um objeto diz-nos a capacidade que este tme para modoficar o estado de outros objetos. Dito de outra forma, um objeto cujo valor de energia é muito elevado, pode provocar muitas mudificações em outro. E viceversa, um corpo que tenha pouca energia não vai provocar muitas alterações.

…e a energia cinética?

Agora é mais simples. A energia cinética é a energia que um objeto tem por causa da velocidade a que circula. A energia cinética mede quantas alterações pode sofrer um objeto que está em movimento. Algo que se está a mover tem mais energia que qualquer coisa que não se mexe.

Vamos dar-lhe como exemplo um automóvel, já que é a razão deste site de segurança rodoviária. Imagine um automóvel e um cone. Se o carro estiver parado, não vai provocar nenhuma alteração no cone. Poderiam passar toda a eternidade um à frente do outro e nada sofreria alterações. Todavia, se o veículo estivr em movimento (e se se dirigir na direção do cone) o mais provável é que o triângulo laranja saia a voar. E isso é uma alteração significativa. E, obviamente que, quanto mais rápido circular o veículo, mais longe o cone sairá disparado. Neste sentido, fica claro que quanto mais rápido ande o carro, mais alterações pode provocar. Ou seja, quando maior for a velocidade do veículo, mais energia cinética se produz.

Fonte: Circula Seguro.com