Quando ficamos sem bateria no automóvel

Bateria do automóvel

O sistema eléctrico dos automóveis actuais é mais do que complexo. Dele dependem todos os aparelhos electrónicos que intervém entre as acções do condutor e o comportamento final do veículo. Injecção, ABS, ESP … são alimentados com a energia eléctrica proveniente do transformador, à medida que o motor térmico vai girando.

Mas a piada de toda a invenção está no arranque do carro. E esse arranque é dado pela energia armazenada na bateria do automóvel, que é vista como Santa Barbara, só nos lembramos dela quando troveja. Quando a bateria nos falha podemos usar uns cabos de pinças para colocar de novo o veículo em marcha, mas com um pouco de cuidado, pois os automóveis de hoje não são como os dos nossos avós.

A bateria do automóvel: algumas dicas

A primeira coisa a fazer é aproximar um carro que esteja a funcionar ao carro que ficou sem bateria. Mas cuidado, eu disse “aproximar” os carros. Caso a carroçaria de um tocar no outro, podemos ter fogos de artificio antes que chegue a festa na aldeia.

Com carros aproximados e os capôs abertos, deve-se primeiro ligar um cabo ao terminal positivo do carro descarregado e, em seguida, ligá-lo ao terminal positivo do carro com bateria. Depois disso, ligue o outro cabo a um ponto do chassis do carro em funcionamento ponto e a um ponto de chassis do carro descarregado.

O facto de ligar os cabos ao chassis e não ao terminal negativo da bateria é um aspecto de segurança, para evitar toques acidentais com o terminal positivo. Além disso, se a bateria do veículo está completamente descarregada, é desejável encontrar um ponto sobre o chassis mais ou menos próximo do motor de arranque, para evitar perdas de tensão ao longo do caminho.

O que aconteceria se tocássemos nos terminais positivo e negativo? Provocaríamos um curto circuito. O que, em princípio, não vai além de uma faísca, se o fizéssemos perto de uma bateria cheia de gases inflamáveis??, poderia resultar em uma explosão.

Depois de conectar a bateria, a questão é sobre como ligar o veículo descarregado, enquanto revolucionamos um pouco o carro que nos auxiliou. Se forçarmos um pouco com a chave na ignição e não existir nenhuma reacção, o melhor é esperar um pouco e tentar novamente. Quando, finalmente, tiver o motor a funcionar, você tem que ter em mente alguns detalhes básicos que afectam os veículos de hoje:

O primeiro é que devemos colocar alguns componentes eléctricos de baixa precisão como a luneta térmica ou o ventilador para que absorvam as oscilações de corrente que ocorrem quando o carro descarregado ainda está ao carro com bateria. É importante que essas flutuações não passem para elementos mais sensíveis, tais como a unidades de controle electrónico instalada no veículo.

E outra coisa a lembrar é existem sistemas de injecção que “aprendem” a fazer uma gestão eficiente de combustível, de modo que quando o carro fica sem bateria, eles podem “esquecer” tudo o que aprenderam. E por isso temos que permitir nos primeiros minutos que as rotações subam e desçam, até que a memória da injecção fique estabilizada. É uma questão de deixar o carro funcionar.

Finalmente, um detalhe em automóveis equipados com um catalisador. Caso você fique sem bateria com o motor quente, deve-se notar que empurrar o automóvel para o fazer voltar a funcionar significa a destruição do catalisador, já que o combustível não queimado sairia directamente do colector de escape, encontrando-se com o catalisador a 400°C e auto incendiando-se nesse filtro que neutraliza os gases poluentes à saída do motor.

São quatro recomendações básicas a se ter manter em mente antes de manusear a bateria. E se estivermos com algum tipo de dificuldade, temos ainda a opção de chamar de assistência rodoviária, que é para isso que ela existe.

Foto | Andy Armstrong